Mato Grosso, Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
CÂMARA

Câmara Municipal de Nobres pode cassar vereador nesta quinta-feira

Marcia Jordan

31/07/2014 às 08:37

Câmara Municipal de Nobres pode cassar vereador nesta quinta-feira

Afastado há 120 dias da presidência da Câmara Municipal de Nobres, o vereador Rállide Cristiano de Andrade (PDT) pode ter seu mandato cassado pela Casa. Uma comissão especial foi criada para analisar a situação do vereador e é presidida por Flávio Vinicius Mayer Rondon (Sd) tendo como membro o vereador Adelian Messias (PP) e relator o vereador Acendino Mendes de Souza (PSD). Nesse ínterim, a Câmara de Vereadores esteve presidida pelo vereador Manoel Fermino Pinho (DEM).  

A Comissão Especial levantou pontos relevantes sobre as ações administrativas praticadas pelo então presidente Rállide Andrade e os dados levantados devem ser lidos na sessão convocada para esta quinta-feira (31), em caráter extraordinário, para análise e votação aberta sobre o pedido de cassação do vereador Rállide, afastado definitivamente da presidência do Legislativo na sessão extraordinária realizada no dia 24 de julho, pela manhã, por 9 votos favoráveis e uma abstenção.  

Após o afastamento definitivo do vereador Rállide da presidência da Câmara Municipal de Nobres, na última segunda-feira (28) os vereadores elegeram para presidente o vereador Joilson da Costa (SD), por 9 votos a 1, cujo mandato vai de 28 de julho a 31 de dezembro de 2014.   O resultado da votação é imprevisível, independentemente do que foi apurado e das atitudes tomadas pelo parlamentar pedetista ao longo do seu mandato, cuja situação entre os seus pares de insustentabilidade.

O relatório levantado pela Comissão Especial que deu origem ao processo ainda não foi apresentado publicamente, mas sabe-se que contém situações graves e comprometedoras do ponto de vista financeiro e comportamental em relação ao tratamento dispensado aos companheiros e servidor público do Legislativo.   O atual presidente da Câmara Joilson da Costa, disse que o cumprimento de prazo regimental e o desgaste da Câmara de Vereadores contribuem para que a sessão seja realizada em 31 de julho, cabendo a cada vereador a devida análise dos fatos e votação consciente 

Fonte 24hrsnews