Mato Grosso, Sexta-Feira, 13 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
PGR

PGR insinua novas operações até durante eleições em MT

Marcia Jordan

11/07/2014 às 09:34

PGR insinua novas operações até durante eleições em MT

O procurador geral da República, Rodrigo Janot, não descarta que novas fases da Operação Ararath sejam deflagradas a qualquer momento. Em sua visão, a proximidade do processo eleitoral em nada altera a decisão do Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF) de agir para desvendar práticas de lavagem de dinheiro e outros crimes contra o sistema financeiro praticados em Mato Grosso, conforme investigado desde novembro do ano passado. 

“Eu diria que todos os atos precedem ao processo eleitoral. Se existe um processo eleitoral em curso agora, deve ser avaliado que esses atos criminosos foram praticados bem antes. Não é porque existe o processo que o Ministério Público Federal deixará de atuar. Existem ilícitos graves que merecem apuração”, disse durante entrevista coletiva.

Janot esteve em Cuiabá nesta quinta-feira (10) para anunciar uma força tarefa do Ministério Público Federal com o intuito de auxiliar nas investigações para que as denúncias cíveis e criminais sejam formuladas e encaminhadas posteriormente ao Judiciário após análise de toda a documentação colhida pela Polícia Federal em cinco fases da operação. Antes toda a análise e auxílio as investigações estavam restritas às procuradoras da República, Vanessa Cristina Marcondes Zago e Denise Mulher Slhessarenko.

Agora, ambas contam com o apoio dos procuradores da República, Ronaldo Pinheiro Queiroz, que atuava no Rio Grande do Norte, Rodrigo Leite Prado, antes lotado em Minas Gerais e Gustavo Pessanha Veloso que atuava na Procuradoria Regional da República da 1ª Região. O procurador ressaltou que as investigações da Operação Ararath da Polícia Federal foram desmembradas por conta do envolvimento de membros que detém foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF) como o senador Blairo Maggi (PR), governador Silval Barbosa (PMDB) e deputado estadual José Geraldo Riva (PSD).

Por conta disso, a chefia das investigações pelo Ministério Público Federal são de sua competência, o que levou a montar a força tarefa em Mato Grosso para que seja dado prosseguimento às investigações com celeridade. Janot observou ainda que sua decisão de ampliar a equipe não significa menosprezo ao trabalho desempenhado pelos procuradores da República de Mato Grosso. “Quero deixar claro que não há nenhum reparo a ser feito nos trabalhos da procuradora Vanessa Zago. Enquanto chefe do Ministério Público Federal (MPF), não tenho nada a dizer de trabalho negativo que tenha sido feito pela minha colega. É uma profissional de alto nível”.

60 DIAS

Inicialmente, a previsão é que a investigação seja concluída em 60 dias, mas não está descartada a possibilidade de prorrogação. “Cada dia com sua agonia. Se for necessário, vamos levar mais adiante”, disse.

De acordo com ele, os elementos analisados até o momento necessitam de mais apuração.“As investigações prosseguem. Algumas já se encontram em fase final, outras nós precisamos nos aprofundar

Fonte Folhamax