Mato Grosso, Sábado, 14 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
PF

PF deflagra nova operação em Mato Grosso

Marcia Jordan

03/07/2014 às 15:08

PF deflagra nova operação em Mato Grosso

A Polícia Federal, em ação conjunta com a Controladoria Geral da União (CGU), deflagrou nesta manhã (3) a Operação Kamikaze, para desarticular um grupo criminoso que atuava em todo Brasil participando de licitações públicas. As ações foram deflagradas nos estados de Mato Grosso, onde a investigação foi iniciada, e Rio Grande do Sul.

Um empresário acusado de fraudar licitações e obter contratos públicos de prestação de serviços que ultrapassam R$ 40 milhões foi preso. Ainda não há informações dobre o número de mandados cumpridos em Mato Grosso. Já no Sul, policiais federais cumprem três mandados de busca e apreensão na capital gaúcha. Participaram dessa ação 25 policiais federais e cinco servidores da CGU.

De acordo com as investigações, o grupo criminoso participava de licitações públicas em todo Brasil, principalmente na modalidade pregão eletrônico. O valor oferecido pelo serviço era muito abaixo do valor praticado no mercado, o que viabilizava vitórias em vários certames. Parte do serviço contratado era executada, porém não havia o recolhimento de verba trabalhista nem previdenciária. Como as empresas estavam em nome de “laranjas” e não possuíam patrimônio, a União acabava respondendo subsidiariamente pelas dívidas.

Dentre as formas de atuação da organização criminosa estavam a utilização de documentos falsos e a participação de mais de uma empresa do grupo no mesmo processo licitatório. O empresário preso, que possuía 17 empresas, se tornou o 13º maior devedor trabalhista do Rio Grande do Sul; algumas dessas dívidas eram em nome de terceiros.

O suspeito já havia sido alvo da Operação Freio de Ouro, deflagrada em 2009, e já foi indiciado em mais de 20 inquéritos na Polícia Federal, nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Pela Operação Kamikaze ele irá responder por fraude em ato licitatório e associação criminosa. (Ascom DPF)