Mato Grosso, Sábado, 14 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
PMDB

PMDB vence resistência e emplaca Teté como vice na chapa de Lúdio

Marcia Jordan

02/07/2014 às 09:01

PMDB vence resistência e emplaca Teté como vice na chapa de Lúdio

Depois de quase 10 horas reunidos, os dirigentes do bloco situacionista (PT, PMDB, PR, Pros e PCdoB) acabam de “bater o martelo” sobre as candidaturas majoritárias e decidem manter o médico Lúdio Cabral (PT) candidato a governador tendo como vice a deputada estadual Teté Bezerra (PMDB), além do deputado federal Wellington Fagundes (PR) ao Senado. Com a decisão, fica descartada qualquer possibilidade de aliança com o PSD do deputado estadual José Riva, homologado ao Governo em convenção realizada ontem (30) à noite. 

A dificuldade em tomar a decisão foi motivada pela resistência de setores do bloco situacionista ao a Teté sob argumentação que a candidata a vice  acumula desgastes por ser esposa do presidente estadual do PMDB Carlos Bezerra e ter feito gestão pífia na pasta do  Turismo. Além disso, alegaram que a peemedebista não fortalece a chapa por ser de Rondonópolis, na região Sul, onde também reside Wellington Fagundes e sugeriam como alternativa algum político do Nortão ou do Vale do Araguaia. 

A situação incomodou Bezerra, que ameaçou exigir a vaga ao Senado ou até mesmo a cabeça da chapa para não levar o PMDB a compor com Riva. Entretanto, as ameaças não passaram de “fogo de palha” do cacique que queria mesmo era garantir Teté na majoritária sem reclamação dos partidos aliados. 

A possibilidade do PMDB fechar aliança com Riva reacendeu a esperança do ex-juiz federal Julier Sebastião (PMDB) que viu a possibilidade de concorrer ao Senado na chapa liderada pelo social-democrata.  No início do ano, ele deixou magistratura na esperança de concorrer ao Governo, mas acabou preterido pelo bloco situacionista.

 Esgotada as possibilidades, os partidos da base ofereceram a suplência de Wellington para Julier como “prêmio de consolação”. O ex-magistrado não aceitou a oferta e ficará de fora do processo eleitoral. 

Diante da negativa de Julier, a primeira suplente ao Senado será a advogada Mirian Ribeiro (Pros), que é de Primavera do Leste. A segunda suplência será ocupada pelo professor aposentado da UFMT Manoel Motta (PCdoB). 

Na proporcional, os partidos do bloco situacionista devem formar chapão com coligação para Assembleia e Câmara Federal. A coordenação da campanha e o comitê financeiro serão definidos em reunião nesta quarta (02).      

Além disso, os partidos já foram notificados pelo TRE sobre o prazo de 24 horas para apresentar as atas das convenções. Os documentos serão encaminhados à Justiça Eleitoral no início da manhã. 

 

Fonte – RD News