Mato Grosso, Segunda-Feira, 11 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
SERYS

Serys decide não disputar nada em 2014

Marcia Jordan

01/07/2014 às 10:50

Serys decide não disputar nada em 2014

Descontente por ter sido preterida pela sua nova sigla na disputa ao Senado, a ex-senadora Serys Slhessarenko (PTB) deve mesmo ficar fora da disputa eleitoral desde ano. Ela afirma que não vai concorrer a uma das oito vagas da Câmara Federal, conforme desejava o grupo de oposição, do qual o PTB faz parte. A ex-senadora avalia “não compensar” ser candidata a deputada federal. 

No bloco de oposição, a candidatura de Serys era avaliada como uma puxadora de votos que poderia ajudar as demais legendas a ampliarem sua representatividade no Congresso Nacional. Atualmente,o grupo tem apenas dois representantes na Câmara: os deputados federais Nilson Leitão (PSDB) e Júlio Campos (DEM). 

Apesar da decisão, Serys garante não sair com rancor do processo. Na última sexta-feira (27), durante a convenção do PTB, ela chegou a chorar por ter sido, pela segunda vez, deixada de fora da disputa ao Senado. Para ela, um dos motivos pelos quais seus planos foram frustrados é o fato de ela ser uma mulher. “Mulher e sem dinheiro ser candidata ainda é muito complicado”, desabafa, completando que, se não foi escolhida para o Senado, não disputará outra vaga.“O partido me quis fora do processo, então, devo ficar de fora. É uma decisão partidária”, afirma. 

DE NOVO

Na eleição de 2010, Serys viveu a mesma expectativa quanto à sua candidatura ao Senado. Na época, ela foi “impedida” pelo PT de tentar a reeleição. A legenda preferiu conceder a postulação ao então deputado federal Carlos Abicalil. 

Ainda naquele ano, Serys acabou disputando o cargo de deputada federal e, de uma forma velada, pediu votos para o senador Pedro Taques (PDT), que disputava o Senado, ao invés de colaborar com a candidatura do então correligionário. 

A iniciativa rendeu à ex-senadora um processo interno no qual ela era acusada de infidelidade partidária. Pouco tempo após receber sua punição, uma suspensão pelo período de quatro meses, ela decidiu se desfiliar do PT. Junto com ela, outros militantes deixaram o partido.

Fonte Folhamax