Mato Grosso, Segunda-Feira, 11 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ARI

Ari Lafin é confirmado candidato a deputado estadual por Sorriso, Zé Domingos poderá ficar fora da d

Marcia Jordan

28/06/2014 às 09:43

Ari Lafin é confirmado candidato a deputado estadual por Sorriso, Zé Domingos poderá ficar fora da d

O empresário e presidente do PSDB de Sorriso, Ari Lafim foi confirmado ontem como pré candidato a deputado estadual do partido em Sorriso.

Seu nome foi homologado durante convenção do partido em Cuiabá. O partido que vai apoiar a candidatura de Pedro taques ao governo de Mato Grosso, homologou 16 nomes para disputar uma vaga na Assembléia  Legislativa de Mato Grosso.

O deputado federal Nilson Leitão presidente do PSDB em Mato Grosso será candidato a deputado federal. Ele concorrerá à reeleição pelo partido no Estado.

Já o deputado estadual José domingos fraga Filho do PSD deve registrar seu nome como candidato a reeleição na próxima segunda-feira quando será realizado convecção do partido em Cuiabá

José Domingos poderá ficar fora da disputa por ter as contas reprovadas pelo TCU. De todo modo, casoele registre candidatura, para que fique inelegível, a Justiça Eleitoral precisa se manifestar sobre este caso. Na prática, o fato de ter as contas reprovadas não os impede da candidatura. Somente após a avaliação da justiça eleitoral.

A lista de responsáveis com contas julgadas irregulares não se confunde com a declaração de inelegibilidade. O TCU apenas encaminha a lista à Justiça Eleitoral para que esta, com base em critérios definidos em lei e se entender cabível, declare a inelegibilidade da pessoa. 

Os agentes que constam da lista podem sofrer impugnação de eventuais candidaturas por iniciativa do juiz eleitoral, ou solicitadas por partidos políticos, Ministério Público Eleitoral, coligações ou candidatos.

Lei da Ficha Limpa completa quatro anos em 2014 e pela primeira vez, terá plena efetividade em uma eleição geral. A legislação representa a proibição da candidatura de políticos que tenham sido condenados por órgão colegiado em processos criminais ou por improbidade administrativa, e daqueles que renunciaram ao cargo eletivo para escapar da cassação.

 

 

Da Redação