Mato Grosso, Segunda-Feira, 14 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
SERVIDORES

Servidores não aceitam mudança em data dos salários e prometem "embate" com Governo

Marcia Jordan

07/01/2016 às 08:26

Servidores não aceitam mudança em data dos salários e prometem "embate" com Governo

535fd1d1ebceb3dd57d73461a37402c7Em reunião na tarde desta quarta-feira, o Fórum Sindical decidiu não acatar as propostas do Governo que tratam do calendário do pagamento dos salários dos servidores.

Nesta quinta, o fórum se reúne com os secretários de Gestão, Júlio Modesto, de Planejamento, Marco Marrafon, e de Fazenda, Paulo Brustolin, para discutir as propostas apresentas no último dia 29 de dezembro, quando foi iniciada as negociações sobre o tema.

O Governo já apresentou várias medidas que pretende implantar com relação a folha de pagamentos dos servidores. A principal é a que muda a data de pagamento do dia 30 do mês trabalhado para p 10º dia útil do mês subsequente.

Outra alteração defendida pela cúpula econômica do Estado se refere ao pagamento do 13º salário. Atualmente, o benefício é pagado integralmente na data de aniversário dos servidores.

A terceira proposta é o parcelamento da diferença da reposição inflacionária entre maio e novembro de 2015 em seis parcelas. Já a em relação a reposição de 2016, prevista para o mês de maio, foi sinalizado que haverá dificuldade no cumprimento.

Existe a expectativa por parte dos servidores que o Governo melhore a proposta apresentada. Após a reunião, o fórum vai se reunir para discutir a proposta e deliberar sobre as medidas a serem tomadas junto ao Governo, com vistas a garantir o direito dos servidores públicos.

Interlocutor do fórum junto aos representantes do Governo, o presidente do Sindicato dos Servidores do Procon, Rogério Chapadense, adiantou que as propostas mexem diretamente na vida dos servidores públicos.

“Se concretizadas, as medidas anunciadas pelo governador Pedro Taques vão mexer para pior a vida econômica dos servidores e, consequentemente, com a economia do Estado, uma vez que o primeiro grupo tem sua vida organizada há anos com a data de pagamento no último dia útil do mês.

Assim sendo, vai atrasar seus pagamentos e o comércio fica sem receber ao passo que o outro tem queda no seu poder econômico por ter que pagar juros e multas por atrasos”, avaia.

 

 

 

Fonte folhamax