Mato Grosso, Terça-Feira, 21 de Setembro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
GAECO

Gaeco apreende dois dossiês em casa de advogado e audiência é adiada

Marcia Jordan

22/01/2016 às 22:10

Gaeco apreende dois dossiês em casa de advogado e audiência é adiada

f47017ff1ea0894a455d6032115efce2A juíza Selma Rosane Santos Arruda adiou a audiência de instrução e julgamento onde seriam ouvidos os réus na “Operação Ventríloquo”, que apura desvios de R$ 9,4 milhões na Assembleia Legislativa, que seria realizada na tarde desta sexta-feira. Ela remarcou as oitivas para o dia 3 de fevereiro.

Na audiência desta sexta-feira, seriam ouvidos o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva (sem partido), o ex-secretário Luiz Márcio Bastos Pommot, o advogado Júlio César Domingues Rodrigues, além do ex-procurador da Assembleia Legislativa, Anderson Flávio Godoy.

A audiência foi adiada porque na última terça-feira o Gaeco (Grupo de Ação e Combate ao Crime Organizado) juntou dois “dossiês” encontrados na casa do advogado Júlio César Domingues Rodrigues durante cumprimento de mandado de busca e apreensão. Então, as defesas dos réus pediram vistas para analisar os novos documentos antes dos depoimentos dos réu.

Para o coordenador do Gaeco, promotor Marco Aurélio Castro, o pedido de vistas é uma estratégia dos advogados para ganhar tempo. Isso porque, os documentos anexados comprovariam aquilo que já vinha sendo falado pelo Ministério Público e é de conhecimento das defesas.

“A documentação foi apreendida na casa dos réus, não é nada desconhecido para eles. É uma tática para tentar analisar com mais dedicação sobre os documentos, mas a gente respeita”, declarou.

Segundo Marco Aurélio, os documentos anexados podem levar a uma segunda fase da “Operação Ventríloquo”. Isso porque, foi comprovado que o dinheiro desviado do acordo firmado entre a Assembleia Legislativa e o Banco HSBC “retornou” para o ex-deputado José Riva por meio do advogado Joaquim Fábio Mieli de Camargo, delator do esquema.

Contudo, este dinheiro, assim que chegava as mãos do ex-presidente da Assembleia Legislativa, era pulverizado para outras contas. “Nós, no segundo momento, estamos apurando para quem foi este dinheiro e surpresas virão”, previu.

Marco Aurélio destacou que o ex-presidente da Assembleia, que encontra-se detido no Centro de Custódia de Cuiabá, foi o grande mentor de toda a fraude. Diante disso, ele acredita que Riva que o ex-parlamentar será fundamental para elucidar o destino dos recursos desviados.

 

 

 

Fonte Folhamax