Mato Grosso, Sexta-Feira, 18 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
GAECO

Gaeco suspeita que deputados receberam R$ 1,4 mi em 16 cheques

Marcia Jordan

25/01/2016 às 08:09

Gaeco suspeita que deputados receberam R$ 1,4 mi em 16 cheques

0ec622668f6763928524774edb413528Nas provas acrescidas ao processo criminal da Operação Ventríloquo que está em andamento na 7ª Vara Criminal de Cuiabá, promotores de Justiça que compõem o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) sustentam que o ex-deputado estadual José Riva (sem partido) se apropriou de 45% dos R$ 9,3 milhões desviados da Assembleia Legislativa por meio de uma fraude que deveria ser destinado a quitação de uma dívida com o HSBC Seguros contraído ainda na década de 90.

O promotor de Justiça Samuel Frungilo revelou que documentos apreendidos na casa do advogado Júlio César Domingues durante a operação policial apontam o comprometimento em devolver parte do dinheiro recebido ao ex-deputado José Riva.

Dominguez segue detido no centro de custódia de Cuiabá. “Encontramos documentos e anotações na casa do advogado Júlio César Domingues em que aponta explicitamente que 45% do valor deste golpe retornou ao ex-deputado José Geraldo Riva, o que corresponde a aproximadamente R$ 5 milhões”, disse.

Em uma das anotações do advogado Júlio César Domingues, é citado que cabia a Riva o montante de R$ 4,185 milhões e logo abaixo as anotações “já paguei” R$ 2,708 milhões e resta R$ 1,477 milhão”. Ao lado, consta outra anotação que faz referência a distribuição de cheques para compensar o montante do dinheiro desviado.

Aparece “16 CH de R$ 90.000,00 mil (R$ 1.440.000,00) e 1 CH de R$ 37.000,00”. O Gaeco suspeita que alguns destes cheques tenham sido destinados para alguns deputados e ex-parlamentares.

Outra prova colhida durante um cumprimento de mandado de busca e apreensão que foi acrescido aos autos do processo criminal foram documentos apreendidos na casa do ex-procurador geral da Assembleia Legislativa,

Anderson Godoy, indicando que o valor para pagamento foi superfaturado. “Foi apreendido um laudo contábil onde um contador informa que o valor de R$ 9 milhões estava superfaturado e não deveria ser autorizado. Mesmo assim, o procurador autorizou o pagamento por meio de parecer e pediu a homologação do acordo perante à Justiça. Isso é uma prova de que ele tinha conhecimento das irregularidades e do sobrepreço de R$ 1 milhão”, destacou o promotor de Justiça Marco Aurélio Castro.

Na ação penal da Operação Ventríloquo, são réus o ex-deputado estadual José Geraldo Riva, o ex-secretário geral da Assembleia Legislativa, Luiz Márcio Pommot, e os advogados Anderson Godoi e Júlio César Domingues Rodrigues, este último preso preventivamente no CCC (Centro de Custódia de Cuiabá). Riva também está detido, mas devido a “Operação Metástase – Célula Mãe”

 

f7766b8f830b8d8c8455956fb57d42af49e63d67a4ea6d26934d98e7e9e5402c

 

 

 

 

 

 

Fonte Folhamax.