Mato Grosso, Quinta-Feira, 24 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
CPI

CPI começa ouvir "empresários laranjas" em MT

Marcia Jordan

16/02/2016 às 10:30

CPI começa ouvir "empresários laranjas" em MT

f788b8d1cea75501096755455a453fcdA Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Renúncia e Sonegação Fiscal, instalada na Assembleia Legislativa, inicia amanhã as oitivas com os responsáveis pelas empresas que tiveram os endereços de suas sedes visitados pelos deputados membros da investigação no início do mês. Na oportunidade, uma série de indícios de fraudes, que vão de empresas fantasmas a registradas em nomes de “laranjas”, foi identificada.

Para a primeira oitiva foi convocado Aldevino Aparecido Bissoli, tido como um dos sócios e administrador da empresa Miragãos, que atuaria no setor cerealista. O depoimento já deveria ter ocorrido, mas o empresário não compareceu à Assembleia na data marcada, o que fez com que os membros da CPI aprovassem sua condução coercitiva.

A convocação dele se deve ao fato de a empresa não ter sido localizada no endereço que consta como sendo de sua sede. Investigações preliminares da CPI apontaram ainda para indícios de que a Miragãos já tenha sonegado mais de R$ 100 milhões.

No local, visitado no último dia 2, os parlamentares encontraram uma empresa do mesmo ramo, mas com um nome diferente. As suspeitas da CPI são de que ambas são do mesmo dono, mas o caso ainda precisa ser melhor apurado.

“É uma prática comum. A empresa entra no regime especial, vende os grãos, emite nota no mês seguinte e não paga ICMS. A Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda) coloca o imposto atrasado em dívida ativa. Quando dá problema, os empresários abandonam a empresa e constituem outra para continuar trabalhan-do”, afirma o presidente das investigações, o deputado estadual José Carlos do Pátio (SD).

O prazo para que a CPI da Renúncia e Sonegação Fiscal conclua os trabalhos termina no final de março. Pátio, no entanto, já antecipou que apresentará um requerimento de prorrogação das investigações.

 

 

Fonte Folhamax