Mato Grosso, Quinta-Feira, 22 de Outubro de 2020
Logo Só Informação
Informe Publicitário
DELEGADO

Delegado descarta latrocínio e diz que professora foi executada em Lucas Rio Verde

Marcia Jordan

16/06/2014 às 16:15

Delegado descarta latrocínio e diz que professora foi executada em Lucas Rio Verde

O delegado da Polícia Civil de Lucas do Rio Verde, Marcelo Torhacs, descartou que o crime que vitimou Solange Fátima Willers, 33, tenha sido tentativa de roubo. O fato do bandido não ter levado objetos de valor da vítima e principalmente a quantidade de tiros disparados na ocasião, descartam essa hipótese.

“Segundo a dinâmica do fato, colhida através de prova testemunhal, esse individuo surpreendeu essa senhora que acabava de tirar as crianças da cadeirinha do carro e entregue ao pai, passou pelo pai e pelas crianças e chegou até dizendo que era um assalto, mas não exigiu a entrega de nada, já foi descarregando uma pistola 765”, detalhou o delegado.

Torhacs assinala que a quantidade de disparos feitos não deixa dúvida que a intenção era matar a mulher, que foi alvejada inclusive pelas costas. A dinâmica apurada pela polícia aponta que, mesmo atingida, ela tentou sair do alvo de tiro do assassino, recebendo disparo na cabeça. “Podemos afirmar, pela experiencia policial, que não se tratou de latrocínio e sim de um homicídio”, declarou.

“Nenhum latrocida tem meio de execução tão bárbaro como esse”, acrescentou.

O delegado afirma que é um caso bastante complexo onde a polícia terá que apurar a motivação do crime, sendo aparentemente um caso de mando, e quem teria interesse na morte da mulher, que era servidora pública federal, lotada na unidade do INSS de Sinop, onde residia há pouco tempo.

Em razão do caso complexo, o delegado disse que a polícia irá trabalhar com cautela, observando que há muitas conversas em relação ao caso.

O ex-marido e o filho mais velho da vítima foram ouvidos ainda na sexta-feira. A criança descreveu o fato com detalhes, confirmando a presença do executor na cena do crime. O ex-marido também foi ouvido e confirmou a alegação de assalto. “É uma alegação evasiva, que não convence por vários fatores”, comentou o delegado, observando que o homem aparentou comportamento bastante frio em relação ao crime.

Com Expresso MT