Mato Grosso, Quarta-Feira, 16 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ESTADO

Estado extingue cargos e secretarias, mas não garante pagamento do RGA

Marcia Jordan

25/05/2016 às 15:55

Estado extingue cargos e secretarias, mas não garante pagamento do RGA

399c7920ce9fe97ad355c339c40676c4O governador Pedro Taques (PSDB) irá dedicar o feriado prolongado para definir a reforma administrativa que será apresentada à Assembleia Legislativa no mês de junho. Ele adiantou que algumas pastas serão extintas ou promover a fusão de outras com objetivo de cortar gastos públicos e poder, com isso, ajudar garantir a aplicação da reposição inflacionária aos servidores públicos.

Porém, o governador descartou que as economias serão significativas a ponto de serem suficientes para pagar o RGA aos servidores. Taques destacou que o Estado possui pouco mais de 1 mil cargos exclusivamente comissionados e que as demais função de direção são ocupadas por servidores de carreira. “Se mandarmos embora todos os comissionados, vamos economizar R$ 60 milhões por ano, que não paga nem 10% do RGA.

Mas é possível reduzir secretarias e fazer funções. Isso estaremos definindo neste final de semana prolongado”, declarou o governador em entrevista a Rádio CBN Cuiabá (AM 590).

Outra definição a ser feita no final de semana é com relação ao novo secretário de Planejamento. O cargo vem sendo ocupado interinamente pelo gestor público José Bussiki de Figueiredo, que substitui o advogado Marco Marrafon, remanejado para a Secretaria de Educação.

Pedro Taques afirmou que tem discutido soluções para pagar o RGA do funcionalismo. Ele afirmou que a “receita” é continuar cortando gastos e buscar instrumentos de aumentar a arrecadação.
O governador disse que tem se reunido com grupos estrangeiros para atrair investimentos e gerar receita ao Estado.

“Precisamos nos desenvolver para que Mato Grosso gere impostos, gere rendas para que eu possa pagar os servidores, manter o custeio da máquina e realizar os investimentos”.

Outra fonte de discussão será a possibilidade de taxação das commodities em Mato Grosso. A taxação dos grandes produtores do Estado é uma das sugestões apontadas pelo Fórum Sindical como forma de aumentar a arrecadação do Estado.

“Estamos discutindo para que o setor produtivo possa fazer uma taxação diferenciada. Não é taxação de commodities”, colocou o governador, lembrando que a classe produtora já faz a contribuição do Fethab (Fendo Estadual de Transporte e Habitação).

 

 

Fonte Folhamax