Mato Grosso, Quarta-Feira, 23 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
APÓS

Após decisão do TJ, delegados suspendem greve em MT

Marcia Jordan

06/06/2016 às 13:44

Após decisão do TJ, delegados suspendem greve em MT

0a712e370ec777fe33ebf751c3728104Após decisão do desembargador Alberto Ferreira de Souza, que declarou ilegal a greve dos servidores da área de segurança pública e do Detran de Mato Grosso, os delegados da Polícia Civil foram os únicos que decidiram suspender a paralisação. A mesma medida não foi adotada pelos investigadores e escrivães e também pelos servidores do Detran.

Os servidores paralisaram as atividades no último dia 31 de maio. Eles reivindicam o cumprimento integral da Revisão Geral Anual, de 11,28%. No entanto, o Governo ofereceu 6%, parcelados em três vezes, a partir de setembro de 2este ano.

Outras categorias atingidas com a decisão do desembargador não haviam decretado greve. São os casos dos policiais e bombeiros militares.

De acordo com o delegado Wagner Bassi, do Sindicato dos Delegados de Polícia (Sindepo), a categoria voltará a se reunir nesta semana para discutir os rumos do movimento. A reunião está marcada para o dia 11. “Não aceitamos menos que 11,28% e vamos definir a melhor estratégia para cobrar isso”, disse.

Os investigadores e escrivães realizarão uma assembleia geral nesta terça-feira para definir se retornam, ou não, as atividades. O sindicato da categoria aguarda a notificação da decisão para fazer a convocação. “O movimento continua mesmo com essa decisão. Vamos nos reunir em assembleia para discutir os próximos passos”, declarou Cledison Gonçalves, presidente do Siagespoc.

Já o Sindicato dos Servidores do Detran (Sinetran) anunciou que não recuará do movimento. A categoria critica o Governo por optar por procurar a Justiça, ao invés de avançar nas negociações. “O Governo, ao procurar a Justiça, mostra que não quer e não sabe conversar com os servidores. Já esperávamos por isso, mas essa é uma decisão liminar e não de mérito”, assinalou a presidente do sindicato, Daiane Renner.

A decisão judicial prevê ainda multa diária de R$ 100 mil por dia de descumprimento.

 

 

Fonte Folhamax