Mato Grosso, Segunda-Feira, 20 de Setembro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
VAZIO

Vazio sanitário da soja começa em Mato Grosso; proibida a presença de plantas vivas

Marcia Jordan

15/06/2016 às 08:20

Vazio sanitário da soja começa em Mato Grosso; proibida a presença de plantas vivas

ferrugem-asiatica-1-foto-viviane-petroli-agro-olhar(2)O período de proibição de plantas vivas de soja e cultivo da cultura em Mato Grosso começa hoje, 15 de junho, e segue até o dia 15 de setembro. O Vazio Sanitário da soja é uma medida de prevenção e controle da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi).

Os produtores que desrespeitarem o período poderão ser autuados e/ou multados. A multa para quem descumprir a medida é de 30 Unidade Padrão Fiscal (UPFs) mais 2 UPFs para cada hectare com soja guaxa.

A ferrugem asiática é disseminada a partir de plantas vivas, servindo de ponte verde entre uma safra e outra. É uma das doenças de maior importância (cuidado) da cultura da soja na atualidade pelo seu grande potencial de perdas na produtividade.

O Vazio Sanitário, explica o analista de projetos da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Eduardo Vaz, é fundamental para o combate da doença. “A medida fitossanitária tem papel fundamental no combate da ferrugem asiática, pois com constante redução da sensibilidade do fungo Phakopsora pachyrhizi às poucas misturas de fungicidas eficazes, este período proibitivo tem efeito de supressão dos esporos viáveis”.

Entre 2010 e 2015 o número de propriedades fiscalizadas pelo Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) cresceu 139,4%, de 2.216 propriedades vistoriadas para 5.306. Enquanto em 2010 foram realizadas seis autuações, em 2015 foram expedidos 127 autos de infração e emitidas 440 notificações.

“O início da semeadura está autorizado a partir de 16 de setembro. Até lá, os agricultores devem eliminar toda a soja voluntária em campo. Precisamos fazer nossa parte no combate a esta doença”, pontua o diretor administrativo da Aprosoja-MT, Alexandre Schenkel.

 

 

 

Fonte Viviani Petreli