Mato Grosso, Segunda-Feira, 14 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
NILSON

Nilson Leitão participa de audiência com ministro da Saúde e cobra melhorias para a o setor em Mato

Marcia Jordan

17/06/2016 às 07:51

Nilson Leitão participa de audiência com ministro da Saúde e cobra melhorias para a o setor em Mato

image3230033Acompanhado do secretário de Saúde de Mato Grosso, Eduardo Bermudez, o deputado federal Nilson Leitão (PSDB-MT), participou de audiência com o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

Durante o encontro, que durou cerca de 20 minutos, parlamentar e secretário cobraram empenho no sentido de conseguir a regionalização de alguns serviços, como os de alta complexidade. A descentralização com a criação de núcleos avançados de saúde, por exemplo, ajudaria a desafogar os serviços que hoje são prestados apenas na capital do Estado.

Nilson Leitão aproveitou para cobrar do ministério uma posição em relação ao serviço de radioterapia para pacientes com câncer que são tratados em Sinop. O município foi incluído no plano de expansão da radioterapia em 2012, mas de lá para cá pouco avançou. Pediu ainda o credenciamento do centro de cirurgia cardíaca do Hospital Santo Antônio, ao SUS, de forma que um número maior de pessoas tenha acesso ao serviço.

O atendimento aos programas de reabilitação também foi lembrado. Leitão apresentou um documento solicitando apoio financeiro para Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa, unidade descentralizada da secretaria de Estado de Saúde que presta atendimento de reabilitação auditiva, intelectual e ortopédica, e o projeto Sentinela, que investiga e notifica agravos relacionados à saúde do trabalhador.

Para Leitão, o encontro foi positivo. “Sabemos que o novo ministro tem muitos desafios. Foi uma conversa aberta, franca. As cobranças e propostas que apresentamos buscam manter os serviços que já existem e ampliar o acesso da população a muitos outros. Entendemos, por exemplo, que a descentralização de serviços de alta complexidade podem gerar economia aos cofres públicos, além de reduzir a judicialização no setor”, finalizou.

 

 

 

Fonte Assessoria