Mato Grosso, Sexta-Feira, 30 de Julho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
EXPORTAÇÃO

Exportação da carne bovina apresenta tendência de recuperação após duas retrações

Em Mato Grosso, houve aumento de receita mesmo com redução do volume embarcado

Da Redação

14/04/2021 às 09:44

Exportação da carne bovina apresenta tendência de recuperação após duas retrações
Foto Ilustrativa

Após as exportações brasileiras da carne bovina registrarem duas quedas seguidas, em janeiro e fevereiro em comparação com o mesmo período de 2020, a receita decorrente das vendas internacionais em março foi maior tanto em relação ao mês anterior quanto no comparativo com março de 2020, totalizando US$ 615,8 milhões. As vendas do primeiro trimestre, entretanto, foram 5% abaixo do registrado em 2020, passando de US$ 1,6 bilhão para US$ 1,56 bilhão.

Em Mato Grosso as exportações registraram o mesmo comportamento, recuperação frente janeiro e fevereiro e em comparação com março de 2020, mas com valor trimestral abaixo do registrado em 2020. Em março, o estado embarcou o equivalente a US$ 142 milhões e de janeiro a março a movimentação foi de US$ 353,8 milhões.

Em volume, março foi de alta mensal, 37% a mais do que em fevereiro, mas queda 19% em comparação com março de 2020. Cabe destacar que, mesmo diante do menor volume, o faturamento decorrente das transações internacionais aumentou.

De acordo com Luciano Vacari, diretor da Neo Agro Consultoria, o impacto do novo coronavírus teve reflexos no mercado internacional da carne. "Em janeiro e fevereiro do ano passado, a pandemia ainda não atingia fortemente a economia mundial, por isso a redução mais acentuada na comparação com dois primeiros meses deste ano. Além disso, tradicionalmente as vendas de carne nos dois primeiros meses do ano tendem a ser a menores".

Outro fator que tem influenciado o mercado é a oferta de animais. Segundo Vacari, com a escala apertada nos frigoríficos e restrição de animais prontos para abate, os preços tendem a continuar em alta, que somado à valorização do câmbio e à retenção de fêmeas, conforme a Neo Agro publicou em março, provocam aumento de receita mesmo com menor produção em volume.

 

Fonte - Laís Costa Marques - Assessora de Comunicação