Mato Grosso, Segunda-Feira, 21 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
INFLAÇÃO

Inflação em Sinop tem alta de 0,58%

Marcia Jordan

21/06/2016 às 10:29

Inflação em Sinop tem alta de 0,58%

DSC_8126-1A CDL e o CISE do Departamento de Economia da UNEMAT divulgaram os indicadores econômicos do mês de maio de 2016. A taxa de inflação medida pelo IPC Sinop (Indice de Preço ao Consumidor) foi de 0,58%, ou seja, apenas 0,02 pontos percentuais acima da taxa do mês anterior.

Com esse resultado, a inflação acumulada em Sinop no ano é de 3,29%, e nos últimos 12 meses de 7,95%. Comparativamente à economia brasileira, novamente a taxa de inflação local foi menor este mês, dado que o IPCA, divulgado pelo IBGE para o mesmo período foi de 0,78%, com acumulado de 4,05% no ano e de 9,32% nos últimos 12 meses.

Este mês, houve pressão de alta significativa em dois grupos, a saber, Alimentação & Bebidas, e Vestuário. No primeiro grupo, os produtos que tiveram maiores variações nos preços foram, novamente, aqueles do item cereais (14,7%) e do item leite & derivados (14,4%). Por outro lado, cabe destaque à variação negativa nos preços dos produtos dos itens panificados (-6,8%), frutas (-8,7%) e hortaliças (-20,6%).

Em relação ao grupo Vestuário, cabe destaca a alta nos preços dos produtos do item roupa masculina (3,4%), roupa feminina (5,5%) e roupa infantil (9,5%). Em relação ao grupo Despesas Pessoais, a pressão de queda decorreu da variação negativa nos preços médios das diárias de hotéis (-19,2%), dos cigarros (-5,6%) e dos produtos do item fotografia e filmagem (-8,9%).

CESTA BÁSICA EM SINOP

Em maio de 2016, a Cesta Básica em Sinop ficou um pouco mais barata em relação ao mês anterior, e o valor da cesta apresentou uma queda de 4,98%, passando a custar R$ 399,32 no mercado local. É a segunda vez este ano que o custo da cesta básica local fica abaixo dos R$ 400,00.

Este mês, foram destaque as altas nos preços do feijão (14,9%), do arroz (14,4%) e da manteiga (8,0%). Em contrapartida, quedas expressivas nos preços do tomate (25,6%), do pão francês (16,6%), da batata (12,2%) e da farinha de mandioca (9,3%) favoreceram a retração no custo da cesta básica local.

Em relação às outras cidades, segundo dados do DIEESE, houve alta no custo da cesta básica em Brasília (3,2%), Cuiabá (1,9%), São Paulo (1,6%) e Goiânia (0,8%). Em Campo Grande, a cesta básica apresentou uma leve queda nos preços (-0,3%). Segundo o IMEA, em Cuiabá, a alta foi de 2,0% em maio, custando R$ 415,30.

“Vale lembrar que após o levantamento de preços realizado no inicio de junho o feijão continuou subindo e esta alta vai repercutir na inflação e na cesta do próximo mês.”, explicou o economista Udilmar Zabot.

 

 

Fonte Assessoria