Mato Grosso, Quinta-Feira, 17 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
TAXA

Taxa de desemprego salta 2% em MT; Setas aposta em economia verde

Marcia Jordan

27/06/2016 às 08:21

Taxa de desemprego salta 2% em MT; Setas aposta em economia verde

95e3219de04c3eb0aa6b7b50aaea5e8eA taxa de desemprego em Mato Grosso subiu de 5,7%, no período de janeiro a março de 2015, para 9,1%, no mesmo período deste ano. Além disso, estima-se que 75% da população mato-grossense possui renda de até dois salários mínimos, equivalente a R$ 1,7 mil, considerada baixa e colocando este público numa situação de vulnerabilidade.

O secretário de Trabalho e Assistência Social, Valdiney Arruda, esclarece que desde o início do ano passado foi assinado um convênio para criação do programa Emprega Rede, e diversas ações têm sido elaboradas para atingir principalmente a população de baixa renda, para que seja incluída no mercado de trabalho.

Este programa é uma parceria também com a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e faz um mapeamento de onde estão estas pessoas, passando a resgatá-las. Dentre as ações, o secretário destaca dois trabalhos realizados com mulheres vítimas de violência e pessoas com deficiência que ajudaram com a inclusão social.

“Realizamos o Dia D das Mulheres no Trabalho, sensibilizando as empresas para aumentar número de vagas e fizemos o empoderamento das mulheres vítimas de violência, através da qualificação educacional e foi a primeira vez que isto aconteceu. Deu certo e a ação tem sido copiada em outros Estados. Elas ganharam auto estima, qualidade de vida e muitas se tornaram empreendedoras”, explicou durante visita ao site e ao RDTV.

Com relação ao Dia D para pessoas com deficiência, Valdiney conta que enquanto eram colocados cerca de 50 deficientes no mercado de trabalho por ano, somente em 2015, o número chegou a 457. O trabalho realizado é também de resgate deste público, que muitas vezes, depois de tanto preconceito, passa a aceitar que não consegue fazer parte deste meio.

O secretário relata também que a Setas passou tanto por uma fase de reorgnização financeira, tendo em vista que encontrou um déficit de R$ 40 milhões, como também de conceito. Ressalta que o setor que recebia mais recursos era o de cidadania, responsável pelas doações de cestas básicas e cobertores, além dos eventos de natal. Entretanto, são ações sem resultados efetivos.

Por isto, foi desenvolvida uma política chamada de empoderamento. “Dentro da crise, quem tem mais baixos salários sofrem mais, por isso, desenvolvemos a política do crédito social, em que é entregue a qualificação, um aprimoramento do empreendedorismo, e por último o crédito sem juros com três meses de carência para que possa desenvolver o empreendedorismo”.

Estas são ações voltadas para soluções a curto prazo, mas a Setas aderiu também a uma ação que vem sendo defendida pela Organização das Nações Unidas ligada à chamada economia verde. Relatório da OIT aponta inclusive que em países com diferentes níveis de desenvolvimento, a transição para uma economia mais verde e sustentável, criou milhões de postos de trabalho.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o emprego em bens e serviços ambientais foi de 3,1 milhões em 2010. No Brasil, 2,9 milhões de postos de trabalho foram registrados em áreas dedicadas à redução dos danos ambientais, no mesmo período.

Para o secretário, estas ações são vistas como solução a médio e longo prazo. Em Mato Grosso, a expectativa é de que tenha três frentes de trabalho: desenvolvimento do turismo, agricultura familiar voltada à produção de orgânicos e atender o eixo de cidades sustentáveis.

Este programa estava sendo formato e a expectativa é de que neste segundo semestre seja lançado e colocado em prática. “Estudos realizados pelo Banco Mundial em 24 países demonstram que a economia verde poderia criar de 15 a 60 milhões de empregos adicionais no mundo em 2030”, enfatizou.

 

 

 

Fonte Rdnews