Mato Grosso, Sábado, 31 de Outubro de 2020
Logo Só Informação
Informe Publicitário
GUERRA PELA CADEIRA

Suplente recorre ao TSE para herdar vaga de senadora cassada em MT

Gilberto Possamai alega que não participou de caixa dois em 2018

Da Redação

27/09/2020 às 17:17

Suplente recorre ao TSE para herdar vaga de senadora cassada em MT
reprodução

O empresário Gilberto Possamai, 1º suplente da senadora cassada Selma Arruda (Podemos-MT), interpôs um recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o acórdão (decisão colegiada) que determinou a cassação do mandato de sua chapa. A mesma decisão também decretou a inelegibilidade dos eleitos em 2018, e a realização de novas eleições. 

A chapa de Selma Arruda foi cassada em dezembro de 2019 pelo TSE por prática de “Caixa 2” e abuso de poder econômico. Pelo menos R$ 1,2 milhão gastos por Selma não teriam sido declarados à Justiça Eleitoral.

Em seu recurso, Gilberto Possamai alega que que o relator da representação que determinou a cassação - o ministro do TSE, Og Fernandes -, não apontou qual seria a conduta do empresário que justificasse sua condenação. “Da prova dos autos, extrai-se ter o recorrente sempre agido de boa-fé, seja antes, seja durante a campanha. Não ficou demonstrado que o recorrente tenha contribuído para a prática dos atos relativos a eventual abuso de poder econômico”, diz trecho do recurso.

O recurso também sugere a ocorrência de atos ilícitos de outros candidatos que disputaram o pleito de 2018 apontando a suposta “gravidade concreta e a reprovabilidade das condutas imputadas ao embargante, inclusive em comparativo com outras candidaturas, que vão além da irregularidade formal e autorizam a cassação e a inelegibilidade”. A defesa do empresário também comenta no recurso que um “contrato de mútuo” realizado por ele e Selma Arruda – que abasteceu a campanha da chapa em R$ 1,5 milhão -, também não poderia ser utilizado como argumento para cassação.

Possamai alega desconhecer que os valores foram utilizados de forma ilícita. “O próprio acórdão recorrido afasta o conteúdo eleitoral na negociação do contrato de mútuo, pois referido contrato obedeceu a legislação civil de regência, sem infringir qualquer norma de Direito Eleitoral. Dessa forma, o acórdão recorrido deixou de apontar a inequívoca ciência do recorrente de que os recursos recebidos pela titular da chapa seriam utilizados à margem da legislação e, portanto, utilizados de forma ilícita”, alega a defesa.

Os advogados de Gilberto Possamai pedem que o acórdão que determinou a cassação seja anulado. Alternativamente, caso o TSE não conceda o pedido, que o empresário não fique inelegível por 8 anos.