Mato Grosso, Quinta-Feira, 17 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
PF

PF cumpre mandado em MT em operação antiterror

Marcia Jordan

21/07/2016 às 20:09

PF cumpre mandado em MT em operação antiterror

89b8ea920ffddbf29ebe3b8e1977102fMato Grosso está entre os 10 estados onde a Polícia Federal (PF) cumpre mandados judiciais na Operação Hashtag deflagrada nesta quinta-feira (21) para desarticular um grupo envolvido na promoção do Estado Islâmico e na execução de atos preparatórios para a realização de atentados terroristas e outras ações criminosas.

No Estado foi cumprido 1 mandado de busca e apreensão. Porém, a Polícia Federal não informou em qual cidade as ordens judiciais foram cumpridas. A Justiça Federal de Curitiba chegou a confirmar para a reportagem que teriam sido cumpridos 2 mandados de prisões em Mato Grosso, mas depois corrigiu a informação e disse que houve um equívoco, reafirmando que não houve prisões no Estado.

É a primeira operação policial após a publicação da Lei 13.260/2016, que trata de terrorismo e sobre as investigações, os atos processuais e reformulou o conceito de organização terrorista.

Cerca de 130 policiais cumprem mandados judiciais expedidos pela 14ª Vara Federal de Curitiba, sendo 10 prisões temporárias, 2 conduções coercitivas e 19 buscas e apreensões, nos estados do Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Rio Grande do Sul.

As investigações tiveram início em abril deste ano com o acompanhamento de redes sociais pela Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal (DAT). Os envolvidos participavam de um grupo virtual denominado Defensores da Sharia e planejavam adquirir armamentos para cometer crimes no Brasil e até mesmo no exterior. Uma ONG com atuação na área humanitária e educacional também é investigada por participação no caso.

Os investigados responderão individualmente, na medida de suas participações, pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo, ambos previstos na Lei 13.260/2016. A pena para o primeiro crime é de cinco a oito anos de prisão, além do pagamento de multa. Para quem executa atos preparatórios, a pena varia de três a 15 anos de prisão. (Com informações da repórter Keka Werneck e da assessoria da PF)