Mato Grosso, Sexta-Feira, 13 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
MPE

MPE cria força-tarefa para atuar em processos relacionados à Operação Ararath

Marcia Jordan

11/06/2014 às 11:17

MPE cria força-tarefa para atuar em processos relacionados à Operação Ararath

A exemplo do que foi criado em nível federal pela Procuradoria Geral da República (PGR), a Administração Superior do Ministério Público em Mato Grosso, criou uma força tarefa para apurar todos os fatos de atribuição da esfera estadual, relacionados à “Operação Ararath”.

O grupo de trabalho é formado pelos promotores de Justiça Célio Joubert Fúrio, Mauro Zaque de Jesus, Roberto Aparecido Turin e Sérgio Silva da Costa. Instituída pelo ato Ato 357/2014, a força-tarefa realizará investigações e adotará as medidas judiciais cabíveis. 

Na semana passada a Ong Moral protocolizou pedido de afastamento de Prado da procuradoria geral. A Ong alega que a permanência dele à frente do Ministério Público fragiliza a imagem desta instituição, pois não há como o MPE ostentar sua função de defesa da ordem jurídica, notadamente de princípios como o da moralidade e da legalidade tendo à frente o procurador investigado na Ararath e com ‘suspeita de pratica criminosa’.

Prado e o promotor do Gaeco, Marcos Regenold, são alvos de investigação no inquérito instaurado pela Procuradoria Geral da República (PGR), que desencadeou a quinta fase da Operação Ararath, pela Polícia Federal. Regenold já foi afastado das funções.

Consta do inquérito da PGR que o ex-secretário de Estado, Éder Moares, citado como o articulador de esquema de lavagem de dinheiro em instituições financeiras clandestinas, matinha ‘relações espúrias’ com o membro do Ministério Público Estadual para tumultuar a investigação da Polícia Federal.

Segundo a ação, Éder teria por pelo menos duas vezes ‘procurado se articular com o Regenold, membro do Gaeco, para obter proteção contra as investidas investigatórias da instância federal a seu desfavor’, tudo com devida anuência e conhecimento do procurador Paulo Prado, como aponta ofício do procurador à Polícia Federal dando ciência de que Moraes havia procurado o MPE e que Regenold seria o promotor designado para acompanhar o caso dele.

Consta ainda do inquérito que ao perceber os rumos da primeira fase da Operação Ararath, o ex-secretário teria juntamente com o promotor, simulado a condição de colaborador da Polícia Federal, para proteger-se das investidas investigatórias e receber informações privilegiadas. 

Conforme o MPF, em um diálogo com o promotor durante curso das buscas e apreensões em uma das fases da Ararath, Éder ‘parece cobrar do membro do MP, explicação sobre o motivo da medida e parece tentar coordenar-se sobre a presença de prova documental no local’. Na sequência, por meio de mensagem de texto via SMS, segundo a ação, Regenold dá claros sinais de estar atuando junto ao Ministério Público Federal e ao departamento de Polícia Federal em favor de Eder e sinaliza com depoimento que este prestaria ao Ministério Público. 

“Diante desse contexto, a realização de busca e apreensão de documentos, registros ou escritos que contenham dados relativos aos fatos narrados, mesmo que por meio virtual, se faz necessária que possa elucidar não só a natureza, como a extensão e o propósito dessas relações que o investigado mantém com Éder Morares”, consta da ação.

Ainda na ação, fica demonstrado que Éder, sugere se apresentar à Polícia Federal como ‘colaborador premiado’ e não como delator, ‘já que tinha pretensões políticas nas eleições de 2014 e a pecha de delator não lhe cairia bem’. Outro ponto elencado é que Éder chegou a entregar documentos velhos e sem importância à PF , ‘para tumultuar e mudar o foco das investigações’, sempre por intermédio do membro do MPE.

Fonte Olhar Direto