Mato Grosso, Quinta-Feira, 12 de Dezembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
SUPOSTA COMPRA DE VOTOS

STF manda investigar Bezerra por suspeita em eleição da Mesa

Além do deputado, outras 18 pessoas são investigadas, entre elas o ex-parlamentar Eduardo Cunha

Da Redação

18/11/2019 às 20:01

STF manda investigar Bezerra por suspeita em eleição da Mesa
reprodução

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin abriu inquérito para apurar se houve compra de votos na eleição que levou o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) à presidência da Câmara dos Deputados, em fevereiro de 2015. Entre os investigados está o deputado federal Carlos Bezerra (PMDB).

A abertura do inquérito foi um pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República) com base na delação premiada de executivos do grupo empresarial JBS.

Na delação, o ex-executivo Ricardo Saud afirma que o grupo pagou R$ 30 milhões em 2014 para ajudar a convencer deputados de que a eleição de Cunha seria a melhor opção "para fazer contraponto à então presidente Dilma Roussef", segundo o delator.

A decisão sobre a abertura do inquérito foi emitida por Fachin no último dia 12.

Além do próprio Cunha, são alvo da investigação outros 17 políticos. A PGR afirma no pedido de abertura do inquérito que nem todos possuem foro privilegiado e, por isso, parte da investigação deveria ser desmembrada para a primeira instância do Judiciário.

Fachin, no entanto, deixou a decisão sobre a remessa desses investigados à primeira instância do Judiciário para o futuro relator do inquérito no Supremo.

 

O ministro também pediu na decisão que o STF faça um novo sorteio para escolher o relator dessa investigação. Segundo Fachin, apesar de ele ser o relator da delação da JBS, esse fato por si só não deve determinar que ele seja o responsável por todas as investigações com origem na delação.


Fachin é também o relator dos processos da Operação Lava Jato no Supremo, mas, segundo o ministro, as suspeitas sobre a compra da eleição de Cunha à presidência da Câmara não têm relação com os desvios na Petrobras e, por isso, não há a obrigatoriedade de que o inquérito fique sob sua responsabilidade.
Ainda não foi definido quem será o relator do inquérito no Supremo.

No pedido de investigação, a PGR afirma que devem ser investigados pelo Supremo apenas Bezerra e os também deputados federais Mauro Lopes (MDB-MG) e José Priante (MDB-PA).

A Procuradoria pediu que Cunha e outros 14 investigados tenham os processos remetidos para a primeira instância.

Também são alvo da investigação os deputados federais Newton Cardoso Jr. (MDB-MG) e Soraya Santos (PL-RJ); o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Vital do Rêgo; o ex-ministro Henrique Alves; os ex-deputados federais Fernando Jordão (MDB-RJ), Manoel Júnior (MDB-PB), Marçal Filho (MDB-MS), Leonardo Quintão (MDB-MG), Saraiva Felipe (MDB-MG), João Magalhães (MDB-MG), Alexandre Santos (MDB-RJ) e Sandro Mabel (MDB-GO); e os políticos Geraldo Pereira e Toninho Andrade.