Mato Grosso, Quinta-Feira, 17 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
OITENTA

Oitenta presos devem ser transferidos de cadeia de MT após rebelião

Marcia Jordan

30/08/2016 às 20:20

Oitenta presos devem ser transferidos de cadeia de MT após rebelião

parede300Oitenta presos da Cadeia Pública de Nova Mutum, a 269 km de Cuiabá, devem ser transferidos depois da rebelião e fuga ocorrida na unidade prisional, na noite desta segunda-feira (29). Quatro presos fugiram depois de render os dois agentes penitenciários que estavam de plantão. Os presos levaram as armas da cadeia e fugiram em um carro de um dos agentes.

Segundo o secretário-adjunto de administração penitenciária da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Fernando Lopes, os outros presos, ao perceberem a fuga dos demais, passaram a danificar parte da cadeia, quebrando paredes e vidros.

“Infelizmente a unidade foi depredada. Será necessário fazer a retirada dos presos para reforma da ala que eles depredaram. Devemos retirar 80 presos que serão levados para outras unidades”, afirmou ao G1.

Uma equipe da secretaria em Cuiabá, composta por agentes do Setor de Operações Especiais (SOE), servidores do setor de inteligência e corregedoria, foi enviada para a cadeia nesta terça-feira (30).

Por questão de segurança, a Sejudh não divulgou se a transferência será feita ainda na terça-feira nem para quais cadeias ou penitenciárias os presos serão levados.
Conforme a Sejudh, o carro usado para a fuga, além de parte dos armamentos, foram encontrados abandonados nesta terça-feira na região de Itanhangá, a 447 km de Cuiabá. O delegado da Polícia Civil de Nova Mutum, Felipe Leoni, declarou que os dois agentes rendidos pelos presos já prestaram depoimento na delegacia.
Uma perícia técnica deve ser feita na Cadeia Pública de Nova Mutum.

Os quatro presos que fugiram ainda não foram localizados pela polícia. Eles respondem pelos crimes de roubo, tráfico de drogas e homicídio. A Cadeia Pública de Nova Mutum tem aproximadamente 150 presos, segundo a Sejudh.

 

 

Fonte G1/MT