Mato Grosso, Sábado, 18 de Setembro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
STJ

STJ nega mais um HC e Silval completará um ano preso em MT

Marcia Jordan

01/09/2016 às 18:14

STJ nega mais um HC e Silval completará um ano preso em MT

17f28eb97dc830525b0c70c37f4192edO Superior Tribunal de Justiça negou mais um habeas corpus ao ex-governador Silval Barbosa (STJ). A decisão foi do ministro Antônio Saldanha Palheiro, da 6ª Turma.

Preso desde 17 de setembro de 2015, o ex-governador deve completar 1 ano de prisão. Ele vem sofrendo sucessivas derrotas em todas as esferas do poder judiciário em busca da liberdade.
Silval é acusado de chefiar um esquema de cobrança de propinas no período em que governou o Estado. Além dele, estão presos os ex-secretários Pedro Nadaf, Marcel de Cursi, José Nunes Cordeiro e Sílvio César Correa Araújo.

Ontem, o ex-governador prestou depoimento na audiência de instrução da ação penal referente a “Operação Sodoma”. Ele admitiu a existência de uma organização criminosa dentro de seu Governo, mas negou ser o chefe ou ter conhecimento dela no período em que estava a frente do executivo. “Soube depois que eles vieram aqui e confessaram”, afirmou Silval em relação aos colaboradores premiados.

Silval também apelou à juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal, para que ela conceda sua liberdade. Ele afirmou que precisa se defender dos processos, o que não está ocorrendo porque está preso. Também colocou que várias pessoas que confessaram crimes foram soltas após citarem seu nome.

A fala de Silval irritou a magistrada. Ela negou qualquer tipo de negociação com criminosos. “O senhor meça as pessoas com uma régua que não seja a sua. Aqui eu não faço esse tipo de negociação. O senhor está dizendo que o juízo solta ou deixa de soltar alguém se acusar os outros, que interesse o senhor acha que tenho em lhe acusar”, disparou.

NOVO PEDIDO

Após a negativa do ministro, a defesa de Silval já protocolou outro pedido de liberdade junto ao STJ. Apesar de ainda estar em tramitação, ele deve ser distribuído a Antônio Saldanha Palheiro, que tem relatado os casos da “Operação Sodoma” na corte.

 

 

 

Fonte OlharDireto