Mato Grosso, Domingo, 25 de Julho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
TRE

TRE realiza hoje recontagem de votos de Valdir Barranco, último procedimento antes da posse na AL

Marcia Jordan

12/09/2016 às 10:17

TRE realiza hoje recontagem de votos de Valdir Barranco, último procedimento antes da posse na AL

Valdir BarrancoA recontagem de votos do candidato Valdir Mendes Barranco (PT) está marcada para a manhã desta segunda-feira (12), na sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT). O procedimento legal, realizado pela Secretaria de Tecnologia da Informação do TRE-MT, é o último antes da diplomação do petista na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

A recontagem dos votos é consequência da decisão monocrática do o ministro Luiz Fux, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deferiu seu registro de candidatura nas eleições de 2014, nos autos do Recursos Ordinário número 118/39. Se confirmada a superioridade dos votos, tal como na contagem anterior, Barranco toma a cadeira hoje ocupada pelo coronel Pery Taborelli (PSC).

O recurso, protocolizado pela defesa do petista, leva em conta o novo entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), de que a reprovação de contas de gestão das prefeituras pelos Tribunais de Contas do Estado (TCE) não gera inelegibilidade.

A maioria do pleno entendeu que a competência de julgar as contas de governo e gestão dos prefeitos é das Câmaras Municipais. Desse modo, cabe aos tribunais emitir parecer, que só poderá ser derrubado com o voto de dois terços dos vereadores.

Entenda o caso:

O petista travou uma longa batalha judicial para ocupar cadeira na casa legislativa. Ele estava com registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT), no entanto, em razão de decisão monocrática, o Tribunal Superior Eleitoral determinou que seja autorizado imediatamente o registro de candidatura do ex-prefeito de Nova Bandeirantes, o que automaticamente leva a perda do mandato do deputado estadual Pery Taborelli (PV). A medida sustenta-se no entendimento do Supremo Tribunal Federal, de que as contas do Executivo devem ser aprovadas apenas pelas Câmaras Municipais.

 

 

Fonte Olhar Direto