Mato Grosso, Sábado, 18 de Setembro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ROTA

Rota e PRF firmam parceria ‘tecnológica’ para aprimorar fiscalização na BR-163

Marcia Jordan

12/10/2016 às 09:49

Rota e PRF firmam parceria ‘tecnológica’ para aprimorar fiscalização na BR-163
DCIM101MEDIADJI_0091.JPG
DCIM101MEDIADJI_0091.JPG

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) passa a contar com uma nova ferramenta para fiscalizar trechos da BR-163 e BR-364, onde existem nove praças de pedágio com sistema de monitoramento instalado pela Concessionária Rota do Oeste. A medida vem para dinamizar a atividade da PRF e garantir mais segurança aos usuários.

Por meio de uma parceria, a PRF passou a ter acesso às imagens capturadas pelas câmeras de segurança da Concessionária, com destaque para as vinculadas à infrações e crimes cometidos nas praças de pedágios. Diante das informações, a Polícia pode multar quem desrespeita o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e ainda penalizar quem comete crimes, como adulteração de placas.

O superintendente da PRF, Arthur Nogueira, destaca que a iniciativa tem como foco garantir a segurança de quem trafega pelas rodovias, enfatizando que muitas condutas irregulares refletem em acidentes, ou mesmo prejuízos aos usuários e ao poder público. “O ganho é muito grande para a Polícia e para a sociedade, uma vez que agilizamos o trabalho com auxílio da tecnologia e dispensamos a necessidade de ter uma equipe em cada praça de pedágio.”

Entre as condutas mais recorrentes nas praças de pedágio está a tentativa de passar sem pagar. Em média, são registradas 7 mil ocorrências de evasão por mês. Nogueira destaca que, além de lesar o poder público, a conduta pode resultar em acidentes. “Quando o motorista quer furar o pedágio, ele passa em velocidade acima da permitida e pode colidir com outros veículos, ou mesmo atropelar alguém que esteja trabalhando ali”.

O superintendente explica ainda que muitos acreditam que estão apenas deixando de pagar para a Concessionária, quando na verdade estão promovendo um prejuízo para a sociedade como um todo. “A Rota do Oeste apenas administra o bem público. Quando estragam uma cancela, ou deixam de pagar, o dano atinge a todos os usuários, a todos aqueles que trafegam na rodovia”.

Conforme a PRF, outras infrações, como a ausência do cinto de segurança, uso do celular, excesso de velocidade e manobras perigosas também estão no foco das ações. “O nosso trabalho é realizado para garantir segurança e coibir infrações ou práticas perigosas que coloquem em risco as pessoas. O motorista precisa ficar atento, porque agora podemos multar à distância e o acúmulo de pontos pode levar até mesmo à perda da carteira em uma única viagem.”

O gerente de Operações da Rota do Oeste, Fernando Milléo, destaca que a segurança é o ponto principal da iniciativa. “Com essa parceria, quem ganha sempre é o usuário que tem uma rodovia mais segura para viajar. Temos vários registros de acidentes em praças de pedágio por má conduta de motoristas, situações que não terminaram de forma trágica por sorte. Quem trafega de forma segura e cumpre a legislação de trânsito não terá problemas”, diz o gerente.

Milléo lembra ainda que crimes, como adulteração de placas de veículos também fazem parte dos flagras do sistema de monitoramento da rodovia e pontua que a conduta é crime, previsto em lei. Nogueira complementa que ao adulterar a placa para que não seja identificado o veículo, o motorista está cometendo um crime, existe um dolo nessa ação.

 

 

Fonte Assessoria