Mato Grosso, Segunda-Feira, 21 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
CANDIDATOS

Candidatos trocam acusações no último debate da campanha

Marcia Jordan

29/10/2016 às 08:30

Candidatos trocam acusações no último debate da campanha

emanoel_wilsonEm um debate com intensas trocas de acusações, os dois candidatos à Prefeitura de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) e Wilson Santos (PSDB), se confrontaram pela última vez antes da eleição do próximo domingo (2). O encontro foi promovido pela TV Centro América na noite desta sexta-feira (28).

Durante três blocos, com pouco mais de uma hora de duração, os postulantes ao Alencastro falaram, principalmente, sobre a denúncia envolvendo um suposto esquema de propina para a concessão de incentivos fiscais à empresa Caramuru Alimentos S.A. e que, supostamente, teria beneficiado Emanuel Pinheiro e membros de sua família.

O aúdio em que o irmão de Wilson Santos, Elias Santos, aparece supostamente coagindo servidores a votarem no tucano também foi assunto abordado no encontro.

Durante o confronto, Emanuel acusou o adversário de montar uma “farsa” para prejudicá-lo e disse que a população de Cuiabá já está “enojada” em relação ao comportamento de Wilson. Ele também classificou seu adversário como um político “ultrapassado”, “venal” e “baixo”.

Wilson, por sua vez, afirmou que Emanuel se beneficiou de um esquema de corrupção no Estado, envolvendo a Caramuru, e disse que um cheque de R$ 1 milhão foi depositado na conta da esposa de Emanuel, Márcia Pinheiro.

Em certos momentos, o tucano também disse que Emanuel “correu” das perguntas que lhe foram feitas, repetiu frases “ensinadas” por seu marqueteiro e sugeriu que o adversário não tem “postura de homem” em uma série de situações como, por exemplo, no caso em que ele foi acusado de pagar dívidas com esmeraldas falsas.

Confronto começa quente

Logo no primeiro bloco, com perguntas de tema livre, Wilson acusou Emanuel de fazer parte de um suposto esquema de propina, envolvendo seus familiares e a empresa Caramuru Alimentos.

“O que tomou conta do noticiário nesta semana foi o caso Caramuru. Mesmo esquema que levou Silval à cadeia. Seus familiares receberam R$ 4 milhões. O MPE já está investigando esse caso. O senhor já foi intimado a depor?”, perguntou Wilson.

O peemedebista afirmou que a acusação é uma “mentira deslavada”. Segundo ele, as acusações são também “factóides” criados por Wilson.

“O senhor não perde essa mania, por isso estamos liderando pesquisas. A população te conhece. O senhor adulterou um áudio, por isso seu programa foi tirado do ar hoje. O que o senhor fez foi uma farsa, montagem. Um áudio montado covardemente para me envolver em um esquema, em uma situação montada pelo seu comitê, conhecido como Comitê da Maldade”, disse Emanuel.

Em sua réplica, o candidato Wilson Santos disse que as afirmações do adversário não são verdadeiras e alegou que apresentou à Defaz (Delegacia Fazendária), esta semana, R$ 4 milhões em notas fiscais pagas pela empresa Caramuru a empresas de familiares de Emanuel.

“A Fabiola [concunhada de Emanuel] disse que prestou consultoria e recebeu R$ 2 milhões. O Lula prestou consultoria e recebeu R$ 1 milhão. Quem é Fabiola para receber R$ 2 milhões de um contrato que não existe? A verdade é que o senhor está envolvido em um esquema de incentivos fiscais. Essa é a verdade”.

Emanuel afirmou que a Jutiça e a população estão “enojadas” do comportamento de Wilson. “Por isso o senhor tem uma rejeição terrível. Nem pode andar pelas ruas de Cuiabá, a população não aguenta”. afirmou.

Ainda em sua tréplica, Emanuel lembrou o aúdio divulgado por ele na imprensa em que o irmão de Wilson, o ex-presidente da Metamat, Elias Santos, aparece supostamente coagindo servidores a votarem no tucano.

“Elias, sim, responde por um crime eleitoral e terá que se explicar à Justiça e também o senhor que, com certeza, é o mentor desse áudio”, disse.

FAP

Ainda no primeiro bloco do programa, Wilson Santos afirmou que Emanuel Pinheiro é um dos beneficiários FAP (Fundo de Assistência Parlamentar), recebendo o valor de R$ 25 mil ao mês. Wilson questionou se Emanuel abriria mão do benefício, caso eleito prefeito de Cuiabá.

Ele disse ainda que Emanuel estava agressivo e citou uma frase do juiz federal Sérgio Moro: “Só se enfuresse com a verdade quem vive da mentira”.

Emanuel afirmou que a imoralidade faz parte da conduta de seu adversário e disse que o FAP já existia quando ele foi eleito.

“O senhor responde sete ações por improbidade e quer dar uma de moralista diante da população”, rebateu Emanuel.

2º bloco

Já no segundo bloco, em que as perguntas tinham temas determinados, os candidatos falaram de assuntos como o ensino fundamental/IDEB, ocasião em que Pinheiro acusou Wilson de não ter cumprido a promessa de implantar a educação em tempo integral nas escolas do município.

Wilson, por sua vez, afirmou que foi ele o responsável por inicar o sistema na Capital e ainda levar Cuiabá a ocupar a 7ª posição no IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Emanuel disse que o adversário fugiu a uma de suas perguntas não respondendo, por exemplo, as escolas em que ele implantou o tempo integral. Já o tucano disse que Emanuel decorou frases feitas para “soltá-las” ao longo do debate.

Mobilidade – Outro tema abordado foi a mobilidade urbana. Wilson lembrou a implantação do sistema Faixa Verde na cidade e perguntou propostas de seu adversário para resolver problemas de estacionamento no centro histórico da cidade.

O peemedebista citou a realização de parcerias público-privadas (PPPs) para resolver esse gargalo. “Precisamos entregar o centro para os pedestres. Hoje, eles não conseguem andar no centro”, disse.

Também foi assunto neste bloco, o tem “Servidor Público – Concurso”.

Terceiro bloco

No início do terceiro bloco, Wilson voltou a falar sobre a denúncia envolvendo a Caramuru Alimentos e perguntou se a esposa de Emanuel também recebeu dinheiro da empresa Caramuru. “A sua esposa recebeu R$ 1 milhão?”, questionou o tucano.

Em sua resposta, Emanuel disse que Wilson não tem caráter. “Em 2004, esse sujeito agrediu a reputação de Alexandre César. Em 2008, ele agiu de todas as formas para continuar no poder e agrediu Mauro Mendes e sua família. Agora, ele avança contra mim e minha família com mentiras”, disse Pinheiro.

Emanuel acusou Wilson de ser um político “ultrapassado”, “venal” e “baixo”.

Wilson voltou a citar o juiz Sérgio Moro e disse que Emanuel é investigado pelo MPE neste caso. “O senhor está envolvido sim no esquema de propina. Foi depositado R$ 1 milhão na conta da Márcia, sua esposa”.

“Este homem não tem pudor, insiste em citar Sérgio Moro, mesmo sendo investigado em sete ações de improbidade administrativa”, rebateu Emanuel.

PEC da Mentira

Ao fazer seu questionamento, Emanuel afirmou que Wilson estava desesperado e perguntou o que seu adversário acha da PEC 594/2010, que tramita na Câmara.

Wilson afirmou ser devoto da meritocracia, defendeu o corte de gastos na máquina pública e afirmou ser contra o Executivo gastar 99% com custeio da máquina. Ele ainda devolveu a pergunta ao adversário.

Segundo o peemedebista, Wilson não conhece a PEC citada e disse que a “PEC da Mentira”, como é conhecida, pune com a cassação do mandato aqueles políticos que não cumprirem com suas promessas de campanha.

“Imagine se essa PEC existisse à época em que Wilson foi candidato e fez uma série de promessas e não as cumpriu”, disse Emanuel, ao citar uma série de promessas que segundo ele foram feitas pelo adversário na campanha eleitoral de 2008 e não foram honradas.

Em suas respostas, Wilson disse que foi bom Emanuel ter citado o termo “postura de homem” e questionou ao peemedebista se “postura de homem é pagar dívidas com esmeraldas falsas? Postura de homem é se envolver em um esquema de incentivos fiscais, em que sua família recebeu R$ 4 milhões, postura de homem é receber mais de R$ 25 mil/mês de aposentadoria? Que homem é o senhor, candidato?”, perguntou o tucano.

Caramuru x Elias

Novamente o caso Caramuru voltou a ser tema do debate. Ao retomar o assunto, Wilson afirmou que o adversário “corre” das perguntas e apenas repete as frases que seu marqueteiro lhe ensinou.

Wilson perguntou se Emanuel já foi chamado ao MPE para prestar depoimento e porque seu irmão, Marco Polo, e sua cunhada, Bárbara Pinheiro, tinham medo de serem presos.

Emanuel, por sua vez , voltou a afirmar que fez uma denúncia envolvendo o irmão de Wilson e que, inclusive, resultou na exoneração do mesmo no cargo que ocupava na Metamat.

“Eu denunciei, não prevariquei, como fez o senhor. O seu irmão cometeu crime eleitoral. E aí o senhor diz que não sabia de nada. Deve ser um santo. Só se for um santo do pau oco”, afirmou Emanuel.

Wilson disse que as declarações do adversário servem para fazer um comparativo entre irmãos. “Meu irmão errou, foi demitido e irá se explicar. Seu irmão está envolvido em corrupção, em um esquema de incentivos que levou o ex-governador Silval à cadeia. O senhor e sua família receberam mais que o Silval”, disse Wilson.

“O senhor está desesperado com os números do Ibope. Criminoso só temos um: Elias Santos. Alías, criminosos são Elias e Wilson Santos”, rebateu Emanuel.

Considerações finais

Em função de alguns pedidos de direito de resposta ao longo do debate, o tempo para as considerações finais de cada um dos candidatos foi reduzido de dois minutos para um minuto.

O primeiro a se despedir foi Emanuel Pinheiro. O candidato agradeceu aos familiares e correligionários e afirmou que, no próximo domingo, será dia de o eleitor dar um basta ao desrespeito e ao descaso.

“Domingo é o dia de dar um basta a todo esse desrespeito. Estou preparado, com experiência, energia para liderar esse movimento e fazer Cuiabá avançar. Vamos fazer a diferença, fazer mais com menos. A população não pode padecer com serviços públicos que não funcionam”, disse ele, ao pedir votos do eleitorado.

Wilson também agradeceu familiares, amigos e à militância, e pediu que o eleitor tenha “cuidado” com seu adversário que, segundo ele, está envolvido em escândalos.

“Cuiabá, cuidado com candidato envolvido em escândalos, com candidato que paga dívidas com esmeraldas falsas, com candidato que recebe propina, que está envolvido com o ex-governador Silval”, afirmou.

O tucano ainda encerrou dizendo que está pronto para fazer a melhor gestão de sua vida.

Fonte- Mídia News