Mato Grosso, Quinta-Feira, 21 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ARROZ

Arroz apreendido em terras desmatadas é doada para 8 cidades do Estado

Marcia Jordan

05/06/2014 às 09:11

Arroz apreendido em terras desmatadas é doada para 8 cidades do Estado

Duzentas e oito toneladas de arroz apreendidas pelo Ibama em Mato Grosso nos meses de março e abril, em ações de combate aos crimes contra a floresta, foram doadas nesta quarta-feira (04) a oito municípios do Estado. Os atos de repasse e recebimento foram assinados durante cerimônia realizada nesta tarde na gerência-executiva do órgão em Sinop, no médio norte.

“Esse arroz foi produzido em áreas desmatadas e embargadas neste ano, sendo doadas a municípios que decretaram situação de emergência em função das chuvas”, afirmou o superintendente do Ibama no Estado, Marcus Keynes Lima. As ‘safras’ ilegais eram cultivadas nos municípios de União do Sul e Santa Carmem, no médio-norte. À época, as plantas ainda estavam em fase de desenvolvimento, o que fez o órgão acompanhar a evolução até a colheita. Toda produção ficou armazenada em silos.

O volume produzido será distribuído entre municípios de Vera, Sorriso, Guarantã do Norte, Nova Santa Helena, Marcelândia, Novo Mundo, Cláudia e Itaúba. As prefeituras vão decidir para quais finalidades serão destinadas as sacas de arroz e se responsabilizarão também pela retirada do produto nos silos onde estão depositados.

Em anos eleitorais a legislação restringe que o Ibama promova a doação de produtos que são apreendidos durante as operações ambientais, após o encerramento dos processos. A exceção ocorre quando os itens destinam-se aos municípios em estado de emergência, de calamidade pública, ou mesmo aos programas sociais que tenham sido assinados um ano antes do processo eleitoral. De acordo com o órgão, a doação do arroz apreendido no médio-norte do estado está amparada em uma dessas condições.

“Se isso não acontecesse [a doação], teríamos que deixar para o ano que vem”, disse ainda Marcus Keynes. Satélites têm ajudado o órgão ambiental a monitorar e identificar os crimes contra a floresta, como desmatamento

Fonte Redação com Assessoria