Mato Grosso, Segunda-Feira, 26 de Julho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
EX-DIRETOR

Ex-diretor de cadeia e servidores são demitidos após fuga de 27 presos

Marcia Jordan

02/12/2016 às 08:52

Ex-diretor de cadeia e servidores são demitidos após fuga de 27 presos

O governador Pedro Taques (PSDB) demitiu, nesta quinta-feira (1º), dois agentes penitenciários e o ex-diretor da Cadeia Pública de Nova Mutum, município a 269 km de Cuiabá, por terem cometidos atos ilícitos que resultavram na fuga de 27 detentos da unidade prisional em fevereiro de 2015. Na ocasião, eles foram presos por prevaricação e facilitação qualificada de fuga e passaram a responder a um processo administrativo disciplinar (PAD).

A demissão do ex-diretor Henrique Francisco de Paula Neto e dos agentes penitenciários Fabian Carlos Rodrigues da Silva e Luiz Mauro Romão da Silva foi publicada no Diário Oficial que circulou nesta quinta-feira.  A reportagem  não conseguiu localizar a defesa dos ex-servidores.

“Determino que o superintendente de Atos e Decretos da Casa Civil comunique à Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos para que, a partir da publicação desta decisão, suspenda o pagamento da remuneração dos servidores demitidos, bem como notifique pessoalmente os interessados e seus defensores”, diz trecho do despacho assinado pelo governador.

Eles são suspeitos de terem facilitado a fuga dos detentos e foram alvos de investigações da Polícia Civil. Na ocasião, a delegada que conduzia os inquéritos, Andelina de Andrade, afirmou que recebeu diversas denúncias contra os três servidores públicos sobre supostas irregularidades que ocorriam dentro da cadeia.

Em depoimento, um preso afirmou que o ex-diretor e os dois agentes cobrariam entre R$ 800 e R$ 1,5 mil para liberar o consumo de entorpecentes na cadeia. Irregularidades também foram relatadas por agente penitenciário que, após ser lotado em Nova Mutum, disse ter pedido transferência por causa da negligência com o controle dos detentos. Segundo ele, “festinhas” com bebidas alcoólicas e até churrasco seriam permitidos aos presos.

Fuga
No dia da fuga, as imagens do circuito interno de segurança da cadeia capturaram o momento em que as duas mulheres, sendo uma delas namorada de um preso, chegaram à unidade e os agentes abrem o portão da frente, por volta das 22h35, no dia 5 de fevereiro.

Segundo a delegada, as duas teriam ficado por mais de uma hora no local com os agentes e, quando uma delas sai e vai para a área externa, o então diretor da cadeia vai para o pátio fumar, o que prova que ele estava na cadeia e não estava dormindo.

Ao serem presas, as duas mulheres afirmaram que seduziram e doparam os dois agentes penitenciários, aproveitando que eles desmaiaram para pegar as chaves das celas e libertar os detentos, que saíram pela porta da frente da cadeia, por volta das 1h45.

 

 

 

Fonte G1