Mato Grosso, Quarta-Feira, 16 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
A

A lei da mordaça

Marcia Jordan

01/12/2016 às 08:14

A lei da mordaça

O panelaço desta quinta-feira em meio a comoção do Brasil com a tragédia da Chapecoense, deu o tom do barulho que a nação pretende fazer caso o congresso aprove uma das maiores afronta ao combate a corrupção, “a lei da mordaça”.

O congresso nacional liderado pelo presidente do senado Renan Calheiro (PMDB-AL), e da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ), querem punir quem denuncia as fraudes, falcatruas, corrupção e vergonhas nacionais. Aqueles que denunciar, vaiar ou criticar um político poderá ser punido pelo ato e literalmente a lei do silêncio.

Um dos exemplos é a criminalização de magistrados, passaria a ser crime qualquer ação do juízo que seja interpretada como abuso de autoridade, com penas que poderão variar entre 06 meses e 02 anos de prisão, além da possibilidade de réus processarem juízes e promotores por danos materiais, morais ou à imagem.

Os senhores Deputados, os senhores Senadores, ao invés de elaborarem leis que combatam de fato a corrupção e os desvios vergonhosos dos recursos públicos, estão fazendo mais leis que os absolvem, que os protegem. Mais quem protege o cidadão, o pagador de imposto, que é duplamente taxado? Pois paga impostos para saúde, educação, segurança, estradas, etc… e ainda tem que desembolsar escola particular, saúde particular, pedágios, segurança particular!

Estamos vivendo o Golpe de Estado no Brasil em 1964, porem de forma mais camuflada, e com um único proposito, institucionalizar a corrupção de forma que ninguém a puna ou pior a denuncie. o Juiz Sério Moro que é o simbolo mais marcante do combate a corrupção no Brasil, em sua rede social faz o alerta e nos convoca a luta.

O MOMENTO MAIS GRAVE DO BRASIL

O Brasil está vivendo o seu momento mais grave desde a redemocratização.

Mais grave do que os impeachments de Fernando Collor e Dilma Rousseff, porque o Poder Legislativo declarou guerra ao Judiciário — e aos fundamentos da própria Justiça.04/12 EU VOU! Sérgio Moro.