Mato Grosso, Terça-Feira, 12 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
PP

PP apresenta dois nomes para Pedro Taques escolher como vice e não aceita pressão de “forças externa

Marcia Jordan

04/06/2014 às 09:36

PP apresenta dois nomes para Pedro Taques escolher como vice e não aceita pressão de “forças externa

Mesmo sob pressão de outros partidos, o provável candidato a vice-governador na chapa do senador José Pedro Taques, pré-candidato do PDT ao governo de Mato Grosso, está entre o ‘rei da soja’ Eraí Maggi Scheffer e o presidente afastado da Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja), Carlos Fávaro, ambos do Partido Progressista. Embora haja outros postulantes no arco oposicionista, inclusive alguns com maior peso eleitoral, é improvável que a escolha seja diferente, por causa da necessidade de Taques abrir as portas do agronegócio, onde sempre foi visto com reservas.

Independente dos boatos de que o ex-governador e senador Blairo Maggi (PR) teria aconselhado o primo Eraí Scheffer a não aceitar ser vice de Taques, o presidente do PP, deputado estadual Ezequiel Ângelo Fonseca, afirmou que essa hipótese é real. “Não aceitamos interferência de outros partidos. Essa decisão cabe ao PP, na discussão ampliada com seus aliados da oposição”, observou Ezequiel, tomando o cuidado de não citar Blairo.

Fonseca argumentou que, além de Eraí e Fávaro, existem outros nomes de peso, no arco de alianças, em condições de ser vice. No PSDB, despontam o ex-prefeito Marino Franz, de Lucas do Rio Verde, e o ex-secretário Maurício Magalhães Faria; no PSB, o mais cotado é o ex-prefeito Adilton Sachetti, de Rondonópolis; e, no PPS, a primeira-dama Ana Carla Muniz, esposa do prefeito Percival Muniz, de Rondonópolis, entre outros.

“Em primeiro lugar, antes de decidir, vamos avaliar com a razão. Ver quem soma mais. Quem agrega mais. Por isso, o principal critério é a razão”, emendou Ezequiel Ângelo.

Fonseca e Eraí Maggi teriam avançado nas negociações com a oposição, no processo para a indicação ao cargo de vice-governador. 

O PP, considerado independente desde que deixou a base do governo Silval Barbosa, está fechado com a oposição. Mesmo negociando a indicação para a disputa do cargo de vice-governador, a prioridade da agremiação é a composição para as chapas proporcionais a Câmara Federal e para a Assembleia Legislativa.

Fonte Olhar Direto