Mato Grosso, Sábado, 18 de Setembro de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ELEITOR

Eleitor que não votou no primeiro turno tem até 1º de dezembro para justificar

Marcia Jordan

30/11/2016 às 08:10

Eleitor que não votou no primeiro turno tem até 1º de dezembro para justificar

O eleitor que não votou e também não justificou ausência às urnas no dia 2 de outubro, quando foi realizado o 1º turno das Eleições 2016, tem até esta quinta-feira (1º/12) para entregar à Justiça Eleitoral o Requerimento de Justificativa Eleitoral. Neste caso, é necessário apresentar um documento que comprove que a ausência se deu por motivo de força maior – doença, falecimento de um familiar ou outros.

O Requerimento de Justificativa Eleitoral está disponível no site do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (www.tre-mt.gov.br), no link: http://www.tre-mt.jus.br/eleitor/justificativa-eleitoral.

O eleitor deve imprimir o Requerimento, preencher e entregar no cartório eleitoral, juntamente com o documento que comprove o motivo da ausência. Também é possível obter o requerimento diretamente na zona eleitoral.

Entenda:
O voto é obrigatório para os eleitores entre 18 e 70 anos. O cidadão que se encontra nessa faixa etária e que possui inscrição eleitoral regular, deve comparecer às urnas no dia do pleito ou, diante da impossibilidade de votar, apresentar o Requerimento de Justificativa Eleitoral.

O eleitor que estiver fora do domicílio eleitoral no dia da eleição deve procurar um posto de justificativa eleitoral para preencher e entregar o requerimento. Em regra, todos os locais de votação estão aptos a receber os requerimetnos. Além disso, para facilitar a vida dos eleitores, no dia da eleição a Justiça Eleitoral instala postos de recebimento de justificativas em locais estratégicos, como rodoviárias, praças e aeroportos.

No entanto, é possível que por motivo de força maior, por exemplo, um problema de saúde, falecimento de um familiar, entre outros, o eleitor não vote e nem justifique no dia do pleito. Neste caso, o eleitor tem o prazo de 60 dias, a contar do turno em que se deu a ausência, para procurar um cartório eleitoral e apresentar o requerimento de justificativa, juntamente com o documento que comprove o fato alegado.

O juiz da zona eleitoral onde o eleitor é inscrito analisará o requerimento, podendo, com base nos documentos apresentados, deferir ou não o pedido.

Vale reforçar que 1º de dezembro é o prazo final para justificar a ausência do primeiro turno. O prazo para apresentar o requerimento de justificativa eleitoral do segundo turno, que seria 29 de dezembro de 2016, foi prorrogado para o dia 9 de janeiro de 2017.

A prorrogação se deu porque a Justiça Eleitoral estará de recesso entre os dias 20 de dezembro de 2016 e 6 de janeiro de 2017.

Caso o eleitor tenha deixado de votar em ambos os turnos, deve encaminhar uma justificativa para cada turno da eleição.

Eleitor que estiver fora do Brasil
O eleitor que esteve fora do Brasil no dia pleito poderá: antes do retorno ao país encaminhar o formulário de justificativa diretamente ao cartório eleitoral do município de sua inscrição, por meio dos serviços de postagens, respeitando os prazos; ou justificar dentro de 30 dias, contados da data do retorno ao Brasil.

O que acontece com quem não vota e não justifica?
O eleitor que não vota e nem justifica a ausência às urnas é multado e enquanto não regularizar a situação, ficará impedido de obter a certidão de quitação eleitoral.

A certidão de quitação eleitoral é documento necessário para o exercício de diversos direitos civis, entre eles: inscrever-se em concurso ou prova para cargo ou função pública, investir-se ou empossar-se neles; receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público; participar de concorrência pública; obter passaporte ou carteira de identidade; renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo; praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda; e obter empréstimos nas autarquias, sociedades de economia mista, caixas econômicas federais ou estaduais, nos institutos e caixas de previdência social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo, ou de cuja administração este participe.

 

 

Fonte Andrea, MartinsOliveira