Mato Grosso, Quarta-Feira, 13 de Novembro de 2019
Logo Só Informação
Informe Publicitário
GOVERNADOR

Governador nega ‘carta branca’ a Eder Moraes e afirma que jamais autorizou ninguém a falar em seu no

Marcia Jordan

04/06/2014 às 07:28

Governador nega ‘carta branca’ a Eder Moraes e afirma que jamais autorizou ninguém a falar em seu no

O governador Silval Barbosa (PMDB) assegurou, na manhã desta terça-feira (03/05), no Palácio Paiaguás, que nunca deu ‘carta branca’ a nenhum secretário de Estado e que jamais autorizou alguém a falar em seu nome. A explicação de Barbosa se deve ao fato do ex-secretário de Fazenda, Secopa e Casa Civil, Eder Moraes Dias, supostamente ter agido “em nome do governador”, em operações financeiras, quando ocupou cargos públicos, no staff estadual.

“Ninguém fala por mim. Jamais autorizei. Cada secretário de Estado cuida da gestão de sua pasta”, assegurou ele.

Silval disse que “cada um responde por seus atos” e que não sabe o que Eder Moraes possa ter declarado a seu respeito, em depoimento à Polícia Federal. “Cada um responde por si. Ele [Eder] nunca falou por mim”, afiançou ele.

Defesa
Em princípio, a principal estratégia da defesa de Silval Barbosa está em identificar e usar possíveis falhas da investigação e, também, no processo em geral, que tramita sob sigilo jurídico, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Desde o fim do encontro com os dirigentes dos poderes do Estado, Silval continua reunido, neste instante, com os advogados Ulísses Rabaneda, Valber Melo e Francisco Faiad, ex-secretário de Administração.

“Estou sob sigilo, por conta de determinação do STF. Minha equipe jurídica estuda a situação para adotar as providências cabíveis”, observou o chefe do Poder Executivo. “No foro adequado, tudo vai ser respondido. Se está sob sigilo, no STF, então eu vou responder lá, no Supremo”, emendou Barbosa, diante da insistência dos jornalista em questioná-lo sobre detalhes da Operação Ararath.

Francisco Faiad negou que haja previsão de entrevista coletiva da defesa de Silval. “Processo em segredo de justiça é isso: secreto. A parte interesada [acusada ou testemunha] tem de se manifestar nos autos e nada mais”, resumiu Faiad, para a reportagem do Olhar Direto. Silval negou que tenha contratado banca de advocacia de Brasília para fazer sua defesa.

 

 

Fonte OD