Mato Grosso, Quarta-Feira, 23 de Junho de 2021
Logo Só Informação
Informe Publicitário
ASSUNÇÃO

Assunção pleiteia divulgação e ampliação de recursos para maior coleta de doações de medula óssea em

Marcia Jordan

19/10/2016 às 15:48

Assunção pleiteia divulgação e ampliação de recursos para maior coleta de doações de medula óssea em

Durante a sessão ordinária realizada ao final da tarde da ultima segunda-feira (17), o vereador Fernando Assunção (PSDB), requereu e foi aprovado por todos os parlamentares que a Câmara Municipal de Sinop, envie um ofício a UCMMAT (União das Câmaras Municipais de Mato Grosso), Assembleia Legislativa e a Câmara Federal ao deputado federal Nilson Leitão (PSDB), para que seja realiza a divulgação da campanha e ampliação de recursos para o REDOME (Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea) no estado, a ideia é que se aumente o número de doadores cadastrados aumentando assim as doações.

O REDOME foi criado em 1993, em São Paulo, para reunir informações de pessoas dispostas a doar medula óssea para quem precisa de transplante. Desde 1998, é coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), no Rio de Janeiro. O registro conta com mais de 3.700 milhões doadores cadastrados, é o terceiro maior banco de doadores de medula óssea do mundo e pertence ao Ministério da Saúde, sendo o maior banco com financiamento exclusivamente público. Anualmente são incluídos mais de 300 mil novos doadores no cadastro.

Durante a sessão Assunção, lembrou do caso de Guilherme César Ferráz, que é empresário em Sinop e foi diagnosticado com Mielo Fibrase Primária um tipo raro de leucemia para qual o único tratamento disponível é o transplante de medula óssea. Guilherme deu início a uma campanha de conscientização e doação de medula não só em Mato Grosso, mas em várias cidades do país, para o empresário a campanha é um modo de sensibilizar a população para realizar a doação e salvar vidas. Segundo ele a maior dificuldade encontrada é à distância do hemocentro mais próximo, que fica em Cuiabá.

“A minha maior dificuldade hoje é ter uma conta básica com mais de mil doadores de medula, que não podem doar, por que não podem se deslocar até Cuiabá. A campanha conta com o apoio do exercito, do tiro de guerra, da polícia militar e empresas que estão de portas abertas para que seus colaboradores possam realizar o cadastramento, a coleta e a doação da medula. Mas ficamos totalmente impossibilitados por que não temos um hemocentro em Sinop. Algumas pessoas que já tem que ir a capital, estão aproveitando e realizando as doações”, expôs.

Para Assunção, Sinop que é considerada a capital do norte do estado, precisa ter aqui não só o cadastramento de pessoas que queiram ser doadoras de medula óssea, mas também é necessário que se instale aqui um hemocentro para que sejam realizadas as doações.

“Este registro com o cadastramento de pessoas no banco de doadores de medula óssea salva vidas, no entanto, só temos em Cuiabá, e necessitamos que seja implantado em Sinop com urgência, uma vez que aqui também temos famílias que necessitam de transplantes para salvar a vida de entes queridos. Já acionei o gabinete em Brasília para requerer ao INCA, a liberação e ampliação de recursos para maior coleta de doações.
Vamos multiplicar o número de doares de medula. Sinop possui uma rede de voluntários lutando para trazer a campanha de captação para cá”, salientou.

Ferráz finalizou destacando a problemática de uma cidade do porte de Sinop que é pólo regional de saúde não ter um hemocentro. “Para se ter uma ideia o centro de oncologia pediátrico é vinculado ao hemocentro, por tanto todas as crianças acometidas pelo câncer da nossa região precisam ser encaminhadas para Cuiabá. Eu tive que ser levado as pressas para a capital por que não temos aqui um banco de plaquetas. E isso é ridículo em uma cidade como Sinop com mais de 130 mil habitantes. Imagina um estado inteiro como Mato Grosso ter apenas um hemocentro é uma vergonha. Vale lembrar que a campanha é um aberta, e está circulando por várias cidades como Campinas onde já cadastramos mais de 150 novos doadores, em Ribeirão Preto, São José dos Campos, Bauru, São Paulo, Minas Gerais, Poços de Caldas, Porto Alegre, esta campanha não vai só me beneficiar, mais vai beneficiar toda a sociedade e as pessoas que assim como eu precisam de uma doação para salvar a sua vida”, concluiu.

Quem pode ser um doador de medula óssea?

Pessoas de 18 e 55 anos de idade e estar em bom estado geral de saúde (que não tenham doenças infecciosas ou incapacitantes). É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea nos hemocentros nos estados, no nosso caso em Cuiabá na rua treze de junho, n°1055, bairro do Porto e o telefone para contato é o (65) 3321-0351.

Como é feito o procedimento antes da Doação?

O Doador terá uma pequena quantidade de sangue (5ml) retirada de suas veias, em seguida será preenchida uma ficha com suas informações pessoais. Seu sangue será tipificado por exame de histórico de compatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar suas características genéticas que podem influenciar no transplante. O tipo de HLA será incluído no cadastro. Os dados do doador serão cruzados com os dos pacientes que precisam de transplante de medula óssea constantemente. E se ele for compatível, com algum paciente, outros exames de sangue serão necessários. Se a compatibilidade for confirmada, o doador será consultado para confirmar que deseja realizar a doação e terá que passar por uma nova avaliação de saúde.

Como é feita a doação?

A doação é um procedimento que se faz em centro cirúrgico, sobanestesia peridural ou geral, e requer internação por um mínimo de 24 horas. Nos primeiros três dias após a doação pode haver desconforto localizado, de leve a moderado, que pode ser amenizado com o uso de analgésicos e medidas simples. Normalmente, os doadores retornam às suas atividades normais após a primeira semana da doação.
Você sabia?

Em média a chance de encontrar uma medula óssea compatível é de uma em cem mil!
Devido a isso são feitos Registros de Doadores Voluntários de Medula Óssea, cuja função é cadastrar pessoas dispostas a doar. Quando um paciente necessita de transplante e não possui um doador na família, esse cadastro é consultado. Para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro, no entanto para o paciente, será a diferença entre a vida e a morte. A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo. Doe vida você também!

 

 

Fonte Assessoria