Secretaria de Saúde nega caso de H1N1 em Sinop

Por meio de uma nota de esclarecimento através da página da prefeitura Municipal de Sinop, a Secretaria Municipal de Saúde comunicou que as informações referente ao óbito de uma criança na UPA 24h através da H1N1 é falsa.

Segue a nota:

A Secretaria Municipal de Saúde vem a público esclarecer sobre informações falsas que tem circulado nas redes sociais, referente ao óbito de uma criança. Diante da falsa notícia que tem se propagado a Secretaria esclarece que:

– A Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde foi notificada de um caso suspeito de meningite bacteriana em uma criança de 8 anos que faleceu no Hospital Santo Antônio, mas após exames a suspeita foi descartada.

– A criança deu entrada na UPA 24h no sábado dia 14/04, sendo que foi transferida para a UTI do Hospital Santo Antônio no domingo dia 15/04.

– A criança veio a óbito no dia 19/04 e a causa da morte foi apontada como uma encefalite e até suspeita de má formação vascular cerebral.

Diante disso, a Secretaria de Saúde reforça que não foi registrada morte por meningite na UPA 24h.

Secretaria Municipal de Saúde

A campanha nacional de vacinação contra a influenza ocorre em todo o país e teve início no município nessa segunda-feira (23) e seguirá até 20 de maio. A vacina está disponível nas unidades básicas de saúde, com horário de atendimento das 7h30 às 10h30 e no período da tarde, das 13h30 às 16h30.

Conforme o Ministério da Saúde, a contraindicação da vacina é para quem tem alergia severa a ovo. Acima de nove anos a vacina é em dose única e deve ser anual. A vacinação contra a gripe é a forma mais eficiente para a redução do impacto da doença.

O público-alvo para receber as doses gratuitamente no SUS são:

– pessoas a partir de 60 anos;

– crianças de seis meses a cinco anos;

– trabalhadores da área de saúde;

– professores das redes pública e privada;

– mulheres gestantes e puérperas;

– indígenas;

– pessoas privadas de liberdade (incluindo adolescentes cumprindo medidas socioeducativas);

– profissionais do sistema prisional;

– portadores de doenças que aumentam o risco de complicações em decorrência da influenza.

O Dia D será no próximo dia 12 de maio, quando ocorre a mobilização nacional.

Até o momento, foram registrados 444 casos de síndrome aguda respiratória grave por Influenza A (H1N1) em todo o Brasil, sendo 71 mortes, de acordo com o Ministério da Saúde.

O maior número de casos foi registrado em São Paulo, com 55 óbitos. A síndrome se caracteriza por febre, tosse e desconforto respiratório. No ano passado inteiro, foram 36 mortes pela gripe A H1N1 no país.

E somente nesse ano em Mato Grosso já foram confirmadas 3 mortes, uma em Cuiabá, outra em Tangará da Serra e na tarde de ontem (25) foi confirmada a suspeita da causa da morte da professora Camila Ramos de Souza, 29 anos, que morreu dia 15 de abril na cidade de Sorriso. Um Boletim atualizado com informações sobre a gripe deve ser divulgado até sexta (27).

Uma das formas mais recomendadas pelos médicos para se prevenir contra a gripe H1N1, entre outros vírus, é o uso do álcool em gel. As vendas do produto nas farmácias dispararam e algumas delas já apresentam falta do produto.

Por que a vacina muda todo ano?

Devido a essa mutação dos vírus, é necessário se vacinar anualmente contra a Influenza. Grupos prioritários podem receber gratuitamente a vacinação nos postos de saúde.

Para quem são indicadas as vacinas contra a gripe?

Estão indicadas para todas as pessoas, exceto para bebês com menos de 6 meses de idade. Dependendo do fabricante da vacina, um dos tipos da tetravalente só pode ser dado para crianças maiores de 3 anos de idade. A Trivalente pode ser dada para todos acima de 6 meses. Crianças de 6 meses a 1 ano tem que tomar duas doses com intervalo de 1 mês.

Qual é a vacina oferecida pelo SUS?

A vacina oferecida pelo SUS nos postos de saúde e centros de vacinação é a trivalente.

E a vacina da clínica particular?

Clínicas particulares costumam oferecer, além da vacina trivalente, a vacina tetravalente. Essa vacina também pode ser chamada de quadrivalente e já é oferecida pelo sistema público de saúde dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália.

Qual deve ser o preço da vacina? Como denunciar preços abusivos?

Segundo o Procon, caso seja constatado reajuste abusivo, as empresas poderão ser autuadas. O órgão não informou quantos hospitais foram notificados.

O Procon investiga a informação de que houve hospitais e laboratórios privados que reajustaram o preço da vacina de R$ 120 para até R$ 215. No ano passado, segundo o órgão, o preço médio do imunizante era R$ 45.

Quanto tempo leva para a vacina fazer efeito?

Uma média de 2 a 3 semanas.

Da redação Thais Fiori com a Assessoria.

Comentários